Complexidade dificulta votos no Arizona

O processo de votação em Phoenix, capital do Arizona, transcorreu com tranquilidade durante a manhã desta terça-feira, mas um grupo de defesa dos direitos eleitorais, o Election Protection, estima que pelo menos 20 mil eleitores no condado de Maricopa, que abriga cerca de 60% da população do Estado, não vão conseguir votar nas eleições presidenciais. Após um início de votação com filas, que começaram a ser formadas às 4h (9h no horário de Brasília) da madrugada, os eleitores passaram a encontrar os postos eleitorais relativamente tranqüilos após às 9h (14h em Brasília).

BBC Brasil |

O candidato republicano John McCain votou em uma igreja perto de sua residência, em Phoenix.

Na fila para votar, existiam eleitores do republicano, do democrata Barack Obama e até uma indecisa, a pesquisadora médica Mary Beth, que empunhava um rascunho de cédula eleitoral com a opção para presidente em branco.

"O que eu gosto no Obama são os planos dele para a energia, pois ele defende uma política limpa, de energia solar. Mas o que não gosto dele é que não dá para acreditar em tudo que ele diz. Ele falou que iria adotar o financiamento público para a campanha e não fez isso", afirmou Mary.

Por outro lado, ela disse poder confiar no que McCain diz, mas não gosta da política energética do republicano, "por poluir o meio ambiente" e tem medo de que a vice-candidata da chapa, Sarah Palin, vire presidente dos Estados Unidos.

Identificação
Na fila de votação, o integrante do Election Protection Mike Volder ajudava eleitores a garantir que não fossem recusados na hora da votação por não ter o documento de identificação correto para registrar o voto.

Nas primeiras três horas de votação, ele disse ter atendido cerca de 50 pessoas que tiveram de voltar para a casa ou buscar algum documento no carro para votar.

"Caso a pessoa não consiga provar sua identidade aqui, ela recebe uma cédula de votação provisória e tem de voltar em cinco dias para provar sua identidade. O problema é que muita gente não volta, então tentamos resolver os problemas aqui na hora", explica Volder.

Ele diz achar o sistema aprovado em 2004 injusto, pois quem vota pelo correio não precisa provar sua identidade.

"Metade dos anglo-saxões votam pelo correio, enquanto que apenas 15% das minorias fazem isso. A maioria prefere votar no dia, pessoalmente, e são elas que estão sujeitas a não ter seu voto computado."
Segundo outra representante do grupo, Linda Brown, em 2004, foi aprovada uma lei que exige uma identidade com foto para votar, que normalmente é a carteira de motorista.

"Mas muitas pessoas mais pobres não têm carro, então têm de levar outro tipo de identificação", disse Brown.

Neste caso, o eleitor tem de apresentar dois documentos com nome e endereço, que normalmente são extratos bancários ou contas de água, telefone ou luz.

"Estudantes que moram em repúblicas raramente têm estes papéis e muitas pessoas mais pobres também não têm", afirmou Brown.

Endereço
Outro grande problema é a mudança de endereço dos locais de votação. De 2004 a 2006, 43% dos postos mudaram de endereço e nos últimos anos outros 40% foram alterados novamente.

"As pessoas têm a vida muito ocupada e o dia de votação não é feriado, apesar de você ter direito de se ausentar do trabalho por algumas horas para votar - embora estas horas não sejam obrigatoriamente pagas pelo empregador. Então, se o eleitor vai ao local errado, ele não quer perder tempo procurando o lugar correto e desiste de votar."
O grupo estima que nas eleições estaduais de 2006 cerca de 28 mil pessoas em Maricopa fracassaram na tentativa de votar e acredita que neste dia 4 de novembro o número possa chegar a 50 mil, no cenário mais pessimista.

A cédula eleitoral do Arizona também não ajuda o eleitor menos informado, já que a votação no Estado não é apenas para presidente, mas inclui também a escolha de outras autoridades, desde o xerife até o juiz da Suprema Corte.

Além disso, existem perguntas sobre orçamento de saneamento básico, serviços de estacionamento e até um referendo sobre casamento gay.

De acordo com analistas, quem não está familiarizado com a cédula de votação, cuja amostra é enviada aos eleitores pelo correio, pode demorar até meia hora para votar.

O número de eleitores no Estado aumentou em quase 400 mil eleitores em relação às últimas eleições presidenciais. De acordo com o Pew Research Center, 3,3 milhões de eleitores estão registrados para votar no Arizona.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG