Comitê do Senado dos EUA decide futuro de Sotomayor na Suprema Corte

Washington, 28 jul (EFE).- O Comitê Judicial do Senado dos Estados Unidos decide hoje em votação a nomeação da juíza Sonia Sotomayor para um cargo vitalício na Suprema Corte americana, após um adiamento de uma semana solicitado pelos republicanos.

EFE |

A decisão do Comitê, formado por 12 democratas e sete republicanos, servirá como guia para a eventual votação definitiva sobre Sotomayor na semana que vem no plenário do Senado.

Os senadores republicanos Jeff Sessions, John Cornyn, Orrin Hatch, Mike Crapo, Mike Johanns e Jim Risch declararam publicamente que votarão contra Sotomayor, que tem ascendência porto-riquenha.

Sessions, o republicano de posição mais alta no Comitê, publicou uma coluna de opinião nesta segunda-feira no jornal "USA Today" no qual manifestou preocupação com a possibilidade de Sotomayor tentar ditar políticas em vez de aplicar as leis caso seja confirmada no cargo.

Embora a maioria dos republicanos mais conservadores tenda a votar contra a nomeação de Sotomayor, alguns legisladores do partido pensam em fazer o contrário.

Sessions reconheceu que, apesar da objeção de seu partido, Sotomayor conta com os votos necessários para sua confirmação. Desta forma, ela faria o juramento ao cargo quando a Suprema Corte começar sua nova sessão, em setembro.

Sotomayor pode ser a primeira pessoa de origem hispânica e apenas a terceira mulher na história a fazer parte da corte máxima dos EUA.

Os democratas, que a apoiam, contam com 60 das 100 cadeiras no Senado, o que praticamente garante que os republicanos não poderão mudar o resultado da votação.

Durante as audiências de confirmação, Sotomayor teve que explicar suas controvertidas declarações de 2001, quando disse que uma "mulher latina sábia" teria mais capacidade de tomar decisões que um juiz branco que não teve essa vivência.

Sotomayor enfatizou que sua experiência pessoal a ajuda a entender certos casos, mas que suas decisões ao longo de 17 anos de experiência jurídica sempre foram determinadas pelos casos precedentes e pela lei.

Se vier a receber o aval do Senado, Sotomayor substituirá David Souter, um juiz considerado liberal, o que manterá a divisão ideológica da Suprema Corte americana, com cinco magistrados conservadores frente a quatro liberais. EFE mp/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG