Comissário europeu termina visita a Cuba após reunião com Raúl Castro

(atualiza com reunião do comissário europeu com presidente Raúl Castro e últimas atividades da agenda da visita) Havana, 24 out (EFE).- O comissário de Desenvolvimento e Ajuda Humanitária da União Européia (UE), Louis Michel, concluiu hoje uma visita oficial a Cuba com uma reunião com o presidente Raúl Castro e o objetivo completado de formalizar o reatamento da cooperação do bloco com a ilha, após um parênteses de cinco anos.

EFE |

Fontes da UE disseram à Agência Efe que na reunião, Raúl Castro e Michel conversaram sobre as relações da UE com Cuba, a crise financeira internacional e a situação na ilha, entre outros temas.

Também participou do encontro o ministro cubano de Relações Exteriores, Felipe Pérez Roque.

Michel se reuniu previamente com o vice-presidente do Conselho de Estado, Esteban Lazo, e visitou o município dos Palácios, na província ocidental de Pinar del Río, uma das mais castigadas pelos furacões que castigaram Cuba recentemente e deixaram perdas avaliadas oficialmente em US$ 5 bilhões.

A imprensa internacional não teve acesso a nenhuma destas atividades da agenda.

O comissário europeu, que foi acompanhado na sua visita de dois dias a Cuba pelo presidente da Comissão de Desenvolvimento do Parlamento Europeu, o espanhol Josep Borrell, formalizou na quinta-feira o reatamento da cooperação da União Européia com a ilha.

Cuba interrompeu a cooperação com a UE em 2003, depois da decisão do bloco de estabelecer sanções diplomáticas por causa das penas em juízos sumaríssimos a 75 dissidentes.

As sanções foram suspensas em 2005 e definitivamente eliminadas em junho passado.

Pinar del Río será uma das regiões beneficiadas pela cooperação européia, disse na quinta-feira o próprio Michel, após assinar com Pérez Roque a declaração por meio da qual a cooperação é retomada.

O comissário adiantou que já estão aprovados dois milhões de euros (US$ 2,56 milhões) como "ajuda de emergência" imediata para atenuar os destroços causados pela passagem dos furacões pela ilha, e um programa de entre 25 e 30 milhões de euros a partir de 2009.

Estes fundos servirão para amenizar as perdas causadas pelos furacões, calculadas oficialmente em US$ 5 bilhões, e também para projetos de meio ambiente, cultura, agricultura, saúde, educação e ciência e tecnologia, entre outros.

Michel antecipou que, em duas semanas, uma delegação liderada pelo diretor-geral de Desenvolvimento da Comissão, Stefano Manservisi, visitará Cuba para realizar o trabalho técnico de identificação dos setores e programas que podem ser executados "com rapidez".

As duas partes manifestaram sua "satisfação" com o reatamento da cooperação, interrompida em 2003 por Cuba, após a decisão do bloco de aplicar sanções diplomáticas depois da condenação, em julgamentos sumaríssimos, de 75 dissidentes.

As sanções foram suspensas em 2005 e eliminadas definitivamente em junho deste ano.

O restabelecimento da cooperação é um novo passo no longo caminho em direção à normalização das relações e se soma ao diálogo político empreendido na semana passada, com a visita do chanceler cubano a Paris para participar da primeira reunião ministerial das duas partes desde 2003.

Pérez Roque afirmou que "se abre uma nova etapa que deixa para trás os confrontos do passado" e que as coincidências entre ambas as partes devem "ser a base" para as relações futuras.

No entanto, ele lembrou que "também há divergências que devem ser discutidas a respeito, e não devem ser obstáculo nem ao diálogo, nem à cooperação, nem às relações".

O chanceler cubano reiterou a necessidade de substituir "no futuro a posição comum da UE de 1996", promovida pelo Governo espanhol do conservador José María Aznar.

Essa "posição comum" vincula a cooperação do bloco ao respeito, em Cuba, dos direitos humanos, das liberdades políticas, da reforma da legislação e de uma abertura econômica.

Michel se mostrou animado e falou inclusive de "aliança" com Cuba e de "desenvolver uma relação forte, estratégica, útil, positiva e respeitosa". EFE jlp/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG