Comissão eleitoral muda decisão e permite Lepper concorrer na Polônia

Varsóvia, 11 mai (EFE).- A comissão eleitoral polonesa modificou hoje sua decisão inicial de anular a candidatura do líder do partido camponês Autodefesa, Andrzej Lepper, para as eleições presidenciais de 20 junho, o que permitirá ao político lutar pela Presidência da Polônia apesar de seus antecedentes penais.

EFE |

Varsóvia, 11 mai (EFE).- A comissão eleitoral polonesa modificou hoje sua decisão inicial de anular a candidatura do líder do partido camponês Autodefesa, Andrzej Lepper, para as eleições presidenciais de 20 junho, o que permitirá ao político lutar pela Presidência da Polônia apesar de seus antecedentes penais. Anteriormente, a comissão tinha considerado que Andrzej Lepper "não é elegível" por ter difamado em 2001 importantes políticos, a quem chamou de "canalha", uma afirmação que valeu uma condenação de seis meses de prisão e cinco anos de suspensão dos direitos eleitorais. O órgão eleitoral polonês tinha recorrido a este fato, considerado como um delito contra as instituições públicas, para deixar fora Lepper das eleições presidenciais, adiantadas após a morte do presidente Lech Kaczynski no acidente aéreo de Smolensk, ocorrido em 10 de abril e no qual faleceram outras 95 pessoas. No entanto, os membros da comissão reconhecem agora que o registro nacional penal não estava atualizado e que a causa pela qual foi condenado foi suspenso, como alegava o próprio Lepper, que recebe assim sinal verde para retornar ao pleito. Andrzej Lepper, ex-vice-primeiro-ministro e titular de Agricultura durante o Governo de Jaroslaw Kaczynski (2006-2007), é conhecido na Polônia por ter se envolvido em diversos escândalos. Neste ano, o líder camponês foi condenado a mais de dois anos de prisão por exigir favores sexuais de uma colega de seu partido em troca de um posto de trabalho, uma sentença que está ainda na justiça, o que permitiu que Lepper apresentasse sua candidatura, avalizada pelas 100 mil assinaturas de apoio exigidas pela lei eleitoral. EFE nt/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG