Começa referendo na Bolívia, com abertura de mesas e sem incidentes

O referendo realizado neste domingo na Bolívia começou com a abertura das mesas eleitorais, sem incidentes consideráveis e com chamadas à participação e à calma, para que o dia se transforme em uma festa cívica e democrática.

EFE |

Mais de 4 milhões de bolivianos estão convocados às urnas para decidir sobre a continuidade ou revogação do mandato do presidente Evo Morales, do vice-presidente Álvaro García Linera e oito dos nove governadores do país, seis deles opositores.

Na abertura da jornada eleitoral, o presidente da Corte Eleitoral Nacional (CNE), José Luis Exeni, expressou seu desejo de que o dia de se transforme em uma festa democrática e cívica, e pediu que ninguém tente prejudicar o processo.

Vários governadores opositores também pediram que a população participe, como o caso do chefe do Governo de Santa Cruz, Rubén Costas, que pediu aos bolivianos que vão às urnas para evitar que aconteça na Bolívia como na Venezuela, onde, segundo ele, a baixa participação no referendo revogatório favoreceu "a ditadura democrática" de Hugo Chávez.

A cédula que os bolivianos devem depositar nas urnas está dividida em duas partes: uma superior que pergunta sobre o mandato do presidente e vice-presidente, e a inferior, destinada aos governadores.

"O senhor está de acordo com a continuidade do processo de mudança liderado pelo presidente Evo Morales Aima e pelo vice-presidente Álvaro García Linera?" é a pergunta relativa ao mandato das principais autoridades do país.

No caso dos governadores, os bolivianos devem responder sim ou não à seguinte questão: "O senhor está de acordo com a continuidade das políticas, das ações e da gestão do prefeito do departamento (governador)?".

A jornada eleitoral começou na Bolívia com normalidade e sem incidentes, apesar de que o referendo ter começado precedido de uma tensa semana, dominada pelo conflito político e social.

Os únicos problemas registrados nas primeiras horas de hoje foram um assalto às urnas destinadas à localidade de Yucumo, no departamento de Trinidad, segundo o canal de televisão "ATB".

Em Cochabamba, 15 pessoas foram detidas por infringir o auto de boa gestão decretado para os dias de votação na Bolívia, e que impõe restrições à venda e ao consumo de bebidas alcoólicas, e à circulação com veículos sem permissão, por exemplo.

A Bolívia inicia o dia de votação após semanas de tensão, confronto e muita incerteza sobre a eficácia que este referendo terá na crise vivida pelo país, onde o projeto constitucionalista de Morales enfrenta o plano autonomista empreendido por quatro governadores opositores.

    Leia tudo sobre: evo morales

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG