Berlim, 17 fev (EFE).- O quartel militar das Forças Armadas americanas em Vilseck (sul da Alemanha) iniciou hoje o julgamento do soldado americano Michael P.

Leahy, um dos principais acusados do assassinato de quatro prisioneiros de guerra iraquianos em 2007.

Segundo o código militar americano, é acusado Leahy de homicídio premeditado, conspiração em homicídio premeditado e obstrução à Justiça.

O militar é considerado um dos três responsáveis pelo crime, que aconteceu entre março e abril de 2007 em Bagdá.

Por se tratar de um julgamento militar, o júri é totalmente composto por membros das Forças Armadas.

A pena máxima para um cúmplice de assassinato é a prisão perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional, explicou hoje à Agência Efe a delegação das forças armadas dos EUA na Alemanha.

Leahy, de 26 anos, estava alistado no 18º regimento de infantaria do primeiro batalhão das Forças Armadas americanas em Schweinfurt (Baviera), e em 2007 foi enviado ao Iraque para uma missão de um ano.

Autoridades militares dos Estados Unidos acusam Leahy de matar a tiros, junto com o soldado Joseph P. Mayo, quatro prisioneiros de guerra iraquianos que estavam amarrados e com os olhos vendados.

O crime teria sido uma vingança contra a morte de três companheiros de sua unidade durante a missão.

Leahy e Mayo são dois dos principais suspeitos de executar o crime; o terceiro é o sargento John Hatley, que tinha ordenado a morte dos presos.

O julgamento de Hatley, de 40 anos, está previsto para começar entre 13 e 17 de abril, enquanto o de Mayo ainda não foi definido.

Os dois suspeitos enfrentam as mesmas acusações de Leahy.

Outros quatro membros da mesma unidade terão que comparecer a um tribunal militar para explicar por que estavam presentes durante o assassinato e não fizeram nada para impedi-lo.

Dois deles, Belmor Ramos, de 23 anos, e Steven Ribordy, de 25, já foram condenados como cúmplices de homicídio premeditado e terão de cumprir penas de sete e oito meses de prisão, respectivamente. EFE pb/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.