Comboio de ajuda a Gaza volta à Síria após impedimento do Egito

Cairo, 28 dez (EFE).- Um comboio de ajuda humanitária com destino à Faixa de Gaza decidiu hoje voltar à Síria para entrar no território palestino através do porto egípcio de Arish, depois que as autoridades egípcias negaram outro caminho por terra.

EFE |

Segundo o canal de televisão catariano "Al Jazira", o comboio, formado por 150 veículos, decidiu viajar da localidade jordaniana de Ácaba, onde está atualmente, ao porto sírio de Latakia, onde estavam antes de ir à Jordânia, para deste local ir até Arish e depois, a Gaza.

O comboio, que queria sair de Ácaba e chegar ao porto egípcio de Nueiba, no Mar Vermelho e a poucos quilômetros da primeira localidade, e se deslocar depois por terra para Arish, teve que mudar sua rota, após a rejeição das autoridades egípcias.

A princípio, as autoridades do Egito tinham aceitado receber o comboio no porto de Arish e facilitar o acesso a Gaza, mas, por razões desconhecidas, a rota teve que ser mudada.

Ontem, o ministro de Assuntos Exteriores egípcio, Ahmed Aboul Gheit, disse, em entrevista coletiva, que tinha conversado com os organizadores em 9 de novembro para facilitar o transporte de Arish, mas "desapareceram durante um mês".

"Depois, soubemos de sua intenção de vir a esta região, mas não pelo sistema estipulado, de Arish", disse Aboul Gheit.

O ministro egípcio explicou também que, quando o comboio - promovido pelo deputado britânico George Galloway - chegou no último dia 10 ao Egito, não informou às autoridades deste país sobre seus planos.

"Em 17 de dezembro, dissemos que tinham que vir a Arish, e ficamos surpresos porque estavam na Síria e que depois chegariam à Jordânia. É uma tentativa barata de impor determinações ao Estado do Egito", disse Aboul Gheit.

Além disso, disse que, em 3 de janeiro, será aberta a passagem de Rafah, e que os organizadores do comboio "têm tempo para retornar da Síria, e que o Estado os ajudará".

Fontes dos serviços de segurança consultadas pela Efe explicaram que o caminho por terra do porto egípcio de Nuweibah até Arish "é difícil de garantir", por isso estão insistindo em que a carga chegue ao ponto estipulado inicialmente.

nq/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG