Bagdá - Pelo menos 400 pessoas morreram e 1.720 ficaram feridas no bairro Cidade de Sadr, de Bagdá, desde o final de março, quando tropas dos EUA e do Iraque iniciaram uma campanha militar na região, afirmou hoje o deputado Falah Shanshal.


Em entrevista à agência de notícias "Aswat al-Iraq", Shanshal denunciou as "trágicas condições humanas" nas quais vivem mais de dois milhões de habitantes de Cidade de Sadr "por causa do bloqueio imposto há mais de três semanas pelas tropas iraquianas e americanas".

Este bairro da capital iraquiana é palco de intensos combates desde que o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, ordenasse uma ofensiva em Basra no dia 25 de março contra o Exército Mehdi, milícia leal ao clérigo xiita Moqtada al-Sadr.

Os confrontos acontecem continuamente em Cidade de Sadr, onde são registrados diariamente duros combates.

Shanshal disse que o Parlamento iraquiano enviou uma missão à região para investigar os episódios.

Leia mais sobre: Iraque


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.