Comandante pede aos EUA aumento de tropas no Afeganistão

Por Peter Graff CABUL (Reuters) - O chefe das forças ocidentais no Afeganistão entregou um pedido de aumento de tropas aos comandantes dos Estados Unidos e da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) em um encontro na Alemanha, afirmou neste sábado seu porta-voz.

Reuters |

O general Stanley McChrystal fez o seu pedido por mais tropas ao chefe do Estado Maior do Conjunto das Forças Armadas dos EUA, Mike Mullen, e ao comandante supremo da Otan na Europa, almirante James Stavridis, afirmou o tenente-coronel Tadd Sholtis, porta-voz de McChrystal.

Em um avaliação preparada no mês passado e que vazou para a imprensa nos últimos dias, McChrystal escreveu que sua missão pode falhar se não ganhar reforços. Atualmente, o Afeganistão tem mais de 100.000 soldados, dos quais 63.000 são norte-americanos.

A guerra se intensificou nos últimos meses. Um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado neste sábado informou que 1.500 civis morreram neste ano, com agosto sendo o pior mês de todos e o 20 de agosto, dia das eleições, o maior em número de ataques desde 2001.

Agosto e julho também foram os meses com mais mortes para as tropas ocidentais, que lançaram grandes ofensivas.

Autoridades não disseram exatamente quantas tropas extras McChrystal precisa, embora autoridades de Defesa e do Congresso sugeriram que o pedido seria por cerca de 30.000 militares.

O presidente Barack Obama, que já pediu 21.000 soldados a mais para o Afeganistão neste ano, descreveu-se como um "ouvinte cético" no caso da necessidade de mais soldados.

Ele afirmou que não tomará uma decisão sobre o pedido de McChystal até finalizar uma reavaliação da estratégia norte-americana na região, um atraso que foi criticado pelos seus oposicionistas republicanos como um "esmorecimento." O vice-presidente, Joe Biden, é favorável à redução de tropas no país.

Uma pesquisa do instituto Gallup publicada na sexta-feira mostrou uma queda no apoio à guerra, com 50 por cento dos norte-americanos se declarando contrários ao envio de mais tropas, enquanto 41 por cento apoiavam o aumento. Obama disse que entendia as preocupações da população.

As evidências cada vez maiores de fraude na eleição presidencial afegã tornou mais difícil a defesa do envio de soldados para proteção do governo afegão.

Em um relatório da ONU divulgado neste sábado, o secretário-geral, Ban Ki Moon, disse: "Sérias fraudes eleitorais ocorreram, possíveis primeiramente, mas não exclusivamente, pela falta de acesso a regiões do país devido ao conflito corrente."

Resultados preliminares mostraram que o presidente, Hamid Karzai, venceu no primeiro turno, com 54,6 por cento dos votos, mas, se muitas urnas forem anuladas por fraude, ele ficará com menos de 50 por cento, e terá de se submeter a um segundo turno.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG