Comandante da Otan no Afeganistão acha viável talibãs no Governo afegão

Londres, 25 jan (EFE).- O comandante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão, general Stanley McChrystal, defendeu hoje a possibilidade de os talibãs terem um papel em um futuro Governo afegão.

EFE |

Em declarações ao jornal americano "Financial Times", o oficial disse que "todos os afegãos podem ter um papel (em um futuro) Governo se olharem para o futuro, e não para o passado".

McChrystal também admitiu o crescente ceticismo em relação ao conflito em curso no Afeganistão, mas disse que os 30 mil soldados americanos que chegarão ao país asiático possibilitarão progressos na situação.

O general pretende usar o reforço para criar um corredor de segurança dos mais fortes redutos talibãs até o sul de Cabul. O objetivo é debilitar os rebeldes até que seus líderes sejam obrigados a aceitar algum tipo de acordo com o Governo afegão.

O plano de McChrystal deverá beneficiar 85% da população das províncias de Kandahar e Helmand, permitir o desenvolvimento do comércio e possibilitar ao Governo afegão estender seu raio de ação até a região.

"Como soldado, minha impressão é que já se combateu muito. O que acho que devemos fazer agora é tentar criar condições que permitam ao povo chegar a uma solução equitativa sobre a forma como ele será governado", afirmou o general à publicação.

McChrystal também vê na conferência sobre o Afeganistão, que acontece quinta-feira, em Londres, uma oportunidade para que os aliados apóiem sua ambiciosa estratégia contra os talibãs, apesar do aumento de 70% no número de baixas entre as forças aliadas durante o ano passado e das dúvidas sobre a credibilidade do atual Governo afegão.

"Eu gostaria que todo mundo saísse (da conferência) de Londres com um compromisso renovado, e que esse compromisso seja o que mais convém ao povo afegão", declarou o oficial, segundo quem, no entanto, provavelmente haverá um aumento da violência dos talibãs, que vão querer fazer a estratégia das tropas estrangeiras fracassar.

EFE jr/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG