atingido por um terremoto devastador na última terça-feira. De acordo com uma fonte ouvida pelo iG, a nova estratégia a ser adotada tem como objetivo impedir que o clima de violência e instabilidade se alastre pelo Haiti." / atingido por um terremoto devastador na última terça-feira. De acordo com uma fonte ouvida pelo iG, a nova estratégia a ser adotada tem como objetivo impedir que o clima de violência e instabilidade se alastre pelo Haiti." /

Comandante brasileiro define com tropas novo plano de segurança para o Haiti

PORTO PRÍNCIPE ¿ O comandante do contingente militar da ONU no Haiti, o general brasileiro Floriano Peixoto, está reunido nesta segunda-feira com comandantes das tropas de segurança de 17 nações para traçar um novo plano de segurança para o país caribenho, http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/01/14/veja+as+principais+noticias+sobre+o+terremoto+no+haiti+9290067.html target=_topatingido por um terremoto devastador na última terça-feira. De acordo com uma fonte ouvida pelo iG, a nova estratégia a ser adotada tem como objetivo impedir que o clima de violência e instabilidade se alastre pelo Haiti.

Vicente Seda, enviado especial a Porto Príncipe |

Também participam dessa reunião, membros da cúpula da Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti, a MINUSTAH, informou uma fonte.

No domingo, em entrevista coletiva, o general Floriano Peixoto afirmou que a atuação brasileira no Haiti terá como prioridade manter a segurança do país , enquanto as tropas americanas ficarão focadas na ajuda humanitária.

Vicente Seda
Floriano Peixoto concede entrevista em Porto Príncipe

General Floriano Peixoto durante entrevista coletiva em Porto Príncipe

Questionado sobre a atuação dos Estados Unidos no controle do aeroporto haitiano, o comandante brasileiro preferiu não fazer comentários. Segundo ele, trata-se de um acordo entre os governos do Haiti e dos EUA.

Devido à dificuldade de pouso, a chegada do hospital de campanha brasileiro ao Haiti foi adiada em 24 horas. De acordo com o general, o atraso foi causado pelo enorme fluxo de aeronaves que chegam com efetivos militares e ajuda humanitária desde o dia da tragédia.

Peixoto afirmou, ainda, que a questão das eleições legislativas, previstas para fevereiro, ainda não entraram na pauta de discussões, o que deve ocorrer apenas nas próximas semanas. "A questão da eleição será discutida, mas agora a prioridade é resgate, segurança e atendimento à população".

Veja também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: haiti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG