Harare, 29 jan (EFE).- O ministro das Finanças zimbabuano, Patrick Chinamasa, apresentou hoje perante o Parlamento um orçamento de 51 quatrilhões de dólares zimbabuanos para o exercício anual 2009-2010 do Governo de Robert Mugabe.

Alguns setores econômicos confiavam que nesta oportunidade o orçamento seria em dólares, mas Chinamasa negou-se a abandonar a moeda zimbabuana e insiste em que a mesma deverá coexistir com outras divisas em uso no país.

"Permitiremos o uso de várias divisas estrangeiras junto ao dólar zimbabuano para transações comerciais e financeiras", disse ++Chinamasa++, quem foi assobiado pelos legisladores do opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC).

A economia zimbabuano se encontra em queda livre desde o início desta década, após uma reforma agrária de cunho racial feita por Mugabe, que expropriou as terras dos fazendeiros brancos, que tornou a produção quase inexistente.

A inflação se calcula em trilhões por cento e o dólar zimbabuano foi substituído, embora não oficialmente, pelo dólar (americano) e pelo rande sul-africano.

No ano passado, o Governo cortou dez zeros de sua moeda oficial, já que as calculadoras não podiam mais fazer as numerosas contas em trilhões.

As escolas, universidades e inclusive os hospitais estatais cobram agora suas tarifas em moeda estrangeira, apesar de menos de 5% dos zimbabuanos empregados receberem seus salários nessas moedas.

Hoje, os estudantes da Universidade Tecnológica de Bulawayo, no sul do país, se protestaram contra o pagamento em moeda estrangeira de suas matrículas, enquanto a Universidade Nacional do Zimbábue, em Harare, teve que abandonar suas reivindicações de receber também pagamentos nessas moedas após manifestações estudantis similares.

EFE rt/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.