Desde meados de maio, universitários e alunos do ensino médio organizaram grandes manifestações

Estudantes pedem o fim do lucro das universidades
EFE
Estudantes pedem o fim do lucro das universidades
Com um singular "beijaço" realizado na noite desta quarta-feira em várias cidades chilenas, centenas de estudantes do ensino médio e universitários reivindicaram junto ao governo melhorias na educação pública e o fim do lucro nas universidades.

O anunciado "beijaço" convocou casais a se beijarem durante 1.800 segundos (30 minutos), que é a quantia, em milhões de dólares, necessária para uma educação pública gratuita, assinalaram os próprios estudantes através das redes sociais.

A primeira manifestação aconteceu em frente ao Congresso Nacional, na cidade de Valparaíso, sede do Legislativo, e foi seguida pelo movimento na Praça das Armas, na capital chilena.

A iniciativa foi repetida em outras cidades como Puerto Montt, Valdivia, Concepción, Chillán, Curicó, La Serena, Antofagasta, Iquique e Arica.

Desde meados de maio, os estudantes universitários e do ensino médio, entre outros, organizaram grandes manifestações tanto em Santiago como em algumas províncias e há por enquanto cerca de 300 estabelecimentos ocupados pelos alunos.

Os estudantes exigem o fim da educação municipal, que os colégios voltem a ser administrados pelo Estado, que seja melhorada a infraestrutura dos estabelecimentos destinados ao ensino técnico-profissional "e um sistema mais justo que permita a abolição da desigualdade e o fim do lucro nas universidades".

Na noite de terça-feira, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, sustentou que o Chile "segue em dívida com a educação" e propôs, nesse sentido, um acordo nacional que inclui um fundo de US$ 4 bilhões, em uma tentativa de acabar com os protestos.

Piñera advertiu que "já é tempo de terminar com os protestos e retomar o caminho do diálogo e dos acordos, e propôs um Grande Acordo Nacional pela Educação (Gane), cujos principais objetivos são melhorar a qualidade, o acesso e o financiamento da educação superior".

O acordo se resume a quatro pontos: criar um fundo para a educação de US$ 4 bilhões, que o presidente qualificou como "um enorme esforço financeiro", melhorar o acesso e a qualidade do financiamento aos estudantes, aperfeiçoar os sistemas de admissão, credenciamento, informação e fiscalização do sistema universitário; e definir uma nova institucionalidade para a estrutura universitária.

No entanto, o acordo proposto pelo líder chileno foi rejeitado pelos estudantes e o Colégio de professores.

Beijaço durou 1.800 segundos, quantia em milhões necessária para educação gratuita
EFE
Beijaço durou 1.800 segundos, quantia em milhões necessária para educação gratuita

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.