Com "beijaço", estudantes reivindicam melhorias na educação chilena

Desde meados de maio, universitários e alunos do ensino médio organizaram grandes manifestações

EFE |

EFE
Estudantes pedem o fim do lucro das universidades
Com um singular "beijaço" realizado na noite desta quarta-feira em várias cidades chilenas, centenas de estudantes do ensino médio e universitários reivindicaram junto ao governo melhorias na educação pública e o fim do lucro nas universidades.

O anunciado "beijaço" convocou casais a se beijarem durante 1.800 segundos (30 minutos), que é a quantia, em milhões de dólares, necessária para uma educação pública gratuita, assinalaram os próprios estudantes através das redes sociais.

A primeira manifestação aconteceu em frente ao Congresso Nacional, na cidade de Valparaíso, sede do Legislativo, e foi seguida pelo movimento na Praça das Armas, na capital chilena.

A iniciativa foi repetida em outras cidades como Puerto Montt, Valdivia, Concepción, Chillán, Curicó, La Serena, Antofagasta, Iquique e Arica.

Desde meados de maio, os estudantes universitários e do ensino médio, entre outros, organizaram grandes manifestações tanto em Santiago como em algumas províncias e há por enquanto cerca de 300 estabelecimentos ocupados pelos alunos.

Os estudantes exigem o fim da educação municipal, que os colégios voltem a ser administrados pelo Estado, que seja melhorada a infraestrutura dos estabelecimentos destinados ao ensino técnico-profissional "e um sistema mais justo que permita a abolição da desigualdade e o fim do lucro nas universidades".

Na noite de terça-feira, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, sustentou que o Chile "segue em dívida com a educação" e propôs, nesse sentido, um acordo nacional que inclui um fundo de US$ 4 bilhões, em uma tentativa de acabar com os protestos.

Piñera advertiu que "já é tempo de terminar com os protestos e retomar o caminho do diálogo e dos acordos, e propôs um Grande Acordo Nacional pela Educação (Gane), cujos principais objetivos são melhorar a qualidade, o acesso e o financiamento da educação superior".

O acordo se resume a quatro pontos: criar um fundo para a educação de US$ 4 bilhões, que o presidente qualificou como "um enorme esforço financeiro", melhorar o acesso e a qualidade do financiamento aos estudantes, aperfeiçoar os sistemas de admissão, credenciamento, informação e fiscalização do sistema universitário; e definir uma nova institucionalidade para a estrutura universitária.

No entanto, o acordo proposto pelo líder chileno foi rejeitado pelos estudantes e o Colégio de professores.

EFE
Beijaço durou 1.800 segundos, quantia em milhões necessária para educação gratuita

    Leia tudo sobre: Chileeducação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG