Com 5 mil centrífugas, Irã dificulta supervisão nuclear da ONU

Por Mark Heinrich VIENA (Reuters) - O Irã expandiu o número de centrífugas de enriquecimento de urânio para quase 5 mil e isso tornou mais difícil aos inspetores da Organização das Nações Unidas (ONU) acompanhar o polêmico programa nuclear do país, de acordo com um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) visto pela Reuters.

Reuters |

O relatório restrito da AIEA de sexta-feira também afirmou que o Irã aumentou a taxa de produção de material com urânio pouco enriquecido (LEU), elevando seu estoque em 500 quilos para 1.339 quilos nos últimos seis meses.

A maior eficiência do Irã em produzir possível combustível nuclear certamente iria aumentar os temores do Ocidente de que a República Islâmica está perto de conseguir construir bombas atômicas, caso opte por fazê-lo.

David Albright, do Institute for Science and International Security, um "think tank" que acompanha as questões sobre proliferação no mundo, disse que o Irã acumulou agora LEU suficiente para convertê-lo em urânio altamente enriquecido numa quantidade suficiente para uma bomba atômica.

Mas isso exigiria a reconfiguração da rede de centrífugas do Irã, reduzindo o HEU para que caiba em uma ogiva - passos técnicos que levariam de 1 a 2 anos ou mais - e não passaria despercebido pelos inspetores da ONU a menos que seja feito num local não declarado.

Não há indicações de nenhum local secreto.

O Irã diz que sua indústria de enriquecimento de urânio tem como fim apenas a geração de eletricidade.

Mas o país vetou uma investigação da AIEA sobre supostas pesquisas feitas no passado sobre a produção da bomba e mantém restrições às inspeções da AIEA.

O relatório da agência nuclear da ONU disse que o Irã tinha 4.920 centrífugas, cilindros que giram a uma velocidade supersônica, alimentadas por gás hexafluoreto de urânio (UF6) para enriquecimento 24 horas por dia desde 31 de maio, num aumento de aproximadamente mil desde fevereiro.

Outras 2.132 centrífugas foram instaladas e estavam sendo submetidas a testes sem material dentro, enquanto outras 169 estavam sendo instaladas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG