Colombianos vão pedir pela paz em seu país em missa celebrada pelo Papa em Sydney

Dois jovens colombianos, Jesús Naranjo e Rodrigo, finalizam um grande cartaz com os dizeres Pela paz na Colômbia, que vão levantar amanhã durante missa a ser celebrada ao ar livre pelo Papa Bento XVI em Sydney.

AFP |

"Queremos as bênçãos do Santo Padre, e que derrame luz no conflito colombiano", dizem os jovens à AFP, numa caminhada de mais de nove quilômetros - do local onde se hospedam até o hipódromo de Randwick onde será celebrada a cerimônia que também encerrará as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ).

Os dois amigos também participam de uma vigília onde "compartilham seus sentimentos sobre seu país com outros jovens. Estão presentes às jornadas 215.000 peregrinos, entre eles 125.000 estrangeiros provenientes de 169 países, dos quais 12.000 latino-americanos.

Os peregrinos, com seus sacos de dormir nas costas, entoam canções, e agitam bandeiras de seus respectivos países, saudados pelos moradores de Sydney, que viram sua cidade transformada nesta semana num centro de múltiplas culturas.

A maré de peregrinos começou a se formar de madrugada a partir do norte da cidade até o hipódromo, atravessando a famosa ponte de Sydney, fechada ao trânsito para esta ocasião - uma situação excepcional em seus 75 anos de história.

Ao atravessarem um bairro freqüentado por homossexuais os peregrinos receberam uma chuva de preservativos atirados por 500 manifestantes que protestavam contra a posição da Igreja católica em relação à contracepção.

Os manifestantes gritavam "Papa, torna-te homo, homossexual é fenomenal" e "o Papa se equivoca, coloca camisinha", além de usarem camisetas com os dizeres "Graças a Deus sou ateu" ou "Abençoe-me Padre porque sou homossexual".

No começo da vigília, 200.00 pessoas receberam o Papa com uma longa ovação para uma cerimônia de duas horas. Durante o ato, um jovem chileno subiu o enorme palco para entregar a ele um rosário feito a mão em sua paróquia como presente em nome de todos os latino-americanos.

O ato, no qual não faltaram vivas a Bento XVI, começou com danças aborígenes australianas, e uma mensagem transmitida pelo Papa foi acompanhado por um coro e uma orquestra juvenis.

Na manhã de domingo, o pontífice regressará ao hipódromo para celebrar missa a ser assistida por meio milhão de pessoas.

du/ep/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG