Colômbia recebe apoio do Peru e críticas da Bolívia sobre acordo com EUA

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, recebeu nesta terça-feira o apoio do líder peruano, Alan Garcia, no início de um giro por seis países da região para esclarecer o controvertido acordo militar do país com os Estados Unidos. Em passagem pela Bolívia, no entanto, Uribe ouviu críticas do presidente Evo Morales ao plano.

BBC Brasil |

Garcia, um forte aliado de Uribe, disse que o Peru apoia o que chamou de "políticas fundamentais" do governo colombiano.

"Acredito que a história reconhecerá, em breve, o quanto foi feito em favor não apenas da Colômbia, mas do modelo democrático do nosso continente graças à força mostrada pelo presidente Uribe e seu governo", disse Garcia.

O acordo militar, que ainda está em fase de negociação, poderá transformar o país latino-americano no reduto das operações militares americanas na América do Sul. O acordo prevê o uso, pelo Exército americano, de três bases militares na Colômbia. O peruano comentou também o giro diplomático do colombiano para discutir a ideia.

"O Uribe teve a sensibilidade para se dar conta de que o clima na região não está bom", disse Garcia.

Críticas
Como já era esperado, Uribe teve uma escala difícil na Bolívia e ouviu críticas de Evo Morales.

"Permitir bases militares na América Latina é uma agressão aos governos e democracias da América Latina. Vamos defender a soberania da América Latina", disse Morales após o encontro com Uribe.

O boliviano anunciou que seu governo defenderá uma resolução na próxima cúpula da União Sul-americana de Nações (Unasul) contra instalação de bases militares estrangeiras na região.

Uribe saudou "o povo irmão boliviano" e agradeceu a recepção do seu anfitrião.

Além da Bolívia, os governos da Venezuela, Nicarágua, Equador e do Brasil também criticaram os planos do governo colombiano.

Nesta terça-feira, o assessor do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Marco Aurélio Garcia, disse ao assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, general Jim Jones, que a existência de bases militares americanas na região lembram a Guerra Fria.

"Expressei nossa percepção de que bases estrangeiras na região parece um pouco como resquício da Guerra Fria", disse o assessor de assuntos internacionais da presidência, Marco Aurélio Garcia, logo após encontro com o general americano.

Uribe chega ao Brasil na quinta-feira para conversar pessoalmente com o presidente Lula sobre diversos assuntos, entre eles o acordo militar com os Estados Unidos.

Durante o giro pela região, Uribe deve visitar, além de Peru, Bolívia e Brasil, o Paraguai, a Argentina e o Chile.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG