Colômbia prende 5 integrantes do ELN deportados pela Venezuela

Bogotá, 3 mai (EFE).- O Departamento Administrativo de Segurança (DAS), agência colombiana de inteligência, informou hoje que prendeu, no aeroporto de Bogotá, cinco guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) deportados pelos serviços migratórios da Venezuela.

EFE |

Três homens e duas mulheres formam o grupo de deportados, que imediatamente foram indiciados por "rebelião e utilização ilegal de uniformes e insígnias".

O preso de maior importância é Carlos Emiro Bustamante Rincón, também conhecido como "Darwin" e "O Médico" e que, segundo a DAS, era o "responsável pela estrutura armada e financeira" da Frente de Guerra Norte do ELN.

Os outros quatro foram identificados como Diego Armando Pérez Medina, conhecido como "Roiner Ortiz", Yordilis Yaneth Fernández ("Erica"), Benjamín Terán Mendoza ("Simón") e Gregoria Monterrosa Álvarez ("Tatiana"), que estarão à disposição da Procuradoria Geral de Riohacha, na fronteira com a Venezuela.

A central de inteligência colombiana explicou em comunicado que os guerrilheiros foram detidos pelas autoridades migratórias da Venezuela, onde estavam de "maneira irregular", vestidos com "adereços de uso privativo das Forças Militares da Colômbia".

Segundo o DAS, investigações permitiram identificá-los como integrantes do ELN, apesar de eles terem se registrado com nomes falsos anteriormente. EFE jgh/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG