Colômbia não irá a cúpula de defesa se for em Quito

BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia descartou na segunda-feira sua participação numa próxima reunião de ministros sul-americanos de Defesa caso o encontro ocorra em Quito, conforme previsto, segundo uma fonte oficial. Um polêmico acordo militar entre Colômbia e Estados Unidos deve ser um dos principais temas dessa reunião ministerial da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) no dia 24, a exemplo do que aconteceu na cúpula presidencial de segunda-feira em Quito, à qual o governo colombiano também faltou.

Reuters |

Pelo acordo em discussão, tropas dos EUA poderão usar bases militares colombianas, o que desagrada governos esquerdistas da região, principalmente os de Venezuela e Equador, que romperam relações com Bogotá devido a esses e outros atritos.

Uma fonte da chancelaria disse à Reuters, sob condição de anonimato, que a Colômbia não irá à reunião de defesa devido às constantes agressões verbais do presidente equatoriano, Rafael Correa, dos processos movidos na Justiça internacional pelo Equador e por uma acusação lançada por Quito contra o ex-ministro colombiano da Defesa Juan Manuel Santos.

"Se for em outro país (que não o Equador), a Colômbia irá participar e também pedirá que se tratem de outros temas, como o tráfico ilícito de armas, o terrorismo e o armamentista", afirmou a fonte.

Na segunda-feira, durante a cúpula da Unasul em Quito, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, conclamou os EUA a estabelecerem um diálogo sobre o seu acordo militar com Bogotá.

Já Correa sugeriu uma cúpula extraordinária do Mercosul em Buenos Aires para debater o tema, o que recebeu o aval da presidente argentina, Cristina Kircher.

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, realizou recentemente uma visita a vários países da região para explicar o acordo com os EUA. Recebeu respaldo de Chile, Brasil, Peru, e Paraguai.

O Equador rompeu relações com a Colômbia em março do ano passado, por causa de um bombardeio colombiano contra um acampamento da guerrilha Farc em território equatoriano.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG