Colômbia investigará suíço que buscou mediação com as Farc

BOGOTÁ (Reuters) - O procurador-geral da Colômbia, Mario Iguarán, anunciou na terça-feira uma investigação contra um suíço que tentou mediar junto às Farc a libertação de 40 reféns políticos. De acordo com Iguarán, Jean-Pierre Gontard aparece em 37 emails encontrados nos computadores de Raúl Reyes, dirigente guerrilheiro morto em março no Equador.

Reuters |

Essas mensagens indicam que o suíço teria sido portador de 500 mil dólares das Farc, confiscados na Costa Rica depois da morte de Reyes. Isso poderia fazer o suíço ser indiciado por formação de quadrilha.

Iguarán disse que a investigação será realizada mesmo que não for possível interrogá-lo. 'Há instrumentos de assistência judicial, de cooperação internacional que poderiam nos permitir sua presença aqui para que esclareça as dúvidas da Justiça colombiana', afirmou.

Depois do resgate da ex-candidata a presidente Ingrid Betancourt e de outros 14 reféns, no começo de julho, o governo colombiano anunciou a intenção de realizar contatos diretos com as Farc para libertar outros 25 reféns, e por isso suspenderia a mediação oferecida por França, Espanha e Suíça.

Bogotá acredita que a guerrilha se aproveita da boa-fé dos facilitadores internacionais, e que os estrangeiros, talvez para conquistar a confiança das Farc, acabam realizando ações que vão além das gestões humanitárias.

O governo suíço defendeu o trabalho de seu facilitador e afirmou não haver nenhuma prova de que Gontard teria desvirtuado sua missão.

(Por Luis Jaime Acosta)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG