Tamanho do texto

Bogotá, 3 out (EFE) - O ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, expressou a preocupação do país com a aproximação da Rússia com a Venezuela, em referência às anunciadas manobras navais entre as duas nações que serão realizadas em águas do Caribe em novembro.

"Vamos perguntar aos russos que papel vão ter com os países vizinhos e, daí, o que a Colômbia deve fazer a respeito", disse Santos a jornalistas na cidade de Cartagena, norte do país, durante um congresso de transportadores.

Sem citar a Venezuela, Santos, que amanhã fará uma viagem oficial a Moscou e a São Petersburgo, deixou entrever a preocupação colombiana com essas manobras navais.

Esses exercícios em águas do Caribe serão realizados entre 10 e 14 de novembro, segundo anunciaram na primeira semana de setembro em Moscou o porta-voz da Marinha da Rússia, capitão de navio Igor Digalo, e o presidente venezuelano, Hugo Chávez.

O Ministério da Defesa da Colômbia anunciou na quinta-feira que a visita de Santos à Rússia tem dois objetivos: "participar da 77ª Assembléia da Interpol (Polícia internacional) em São Petersburgo, e se reunir em Moscou com o alto Governo russo para discutir diferentes temas e estreitar os laços de defesa bilaterais".

Santos "é o primeiro ministro da Defesa da Colômbia na história a realizar uma visita oficial à Rússia", acrescentou um comunicado do ministério.

Segundo a mesma informação oficial, esta "viagem ganha especial relevância devido à conjuntura atual da região".

Além disso, ressaltou que sua visita procura, "além de melhorar as relações com a Rússia", trocar informação.

"Porque temos problemas de terrorismo, narcotráfico e máfias, talvez as mais poderosas do mundo", sustentou. EFE rrm/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.