Colômbia expressa apoio à missão da OEA para resolver crise com Equador

Bogotá, 8 abr (EFE).- O Governo da Colômbia anunciou nesta terça-feira seu apoio à missão da Organização dos Estados Americanos (OEA) que chegará do Equador visando a buscar mecanismos de solução à ruptura de relações entre os dois países.

EFE |

A delegação da OEA terminou hoje seu trabalho no Equador e é esperada em Bogotá, para recomendar saídas à crise originada após a operação militar colombiana de 1° de março contra um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano.

A Chancelaria da Colômbia expressou em comunicado "seu pleno compromisso com o cumprimento do disposto" na resolução emitida em 17 de março deste ano na última Reunião de Consulta dos ministros das Relações Exteriores da OEA.

O Executivo colombiano afirmou que "tem a certeza de que este é o caminho para retomar o diálogo construtivo, que sempre caracterizou sua relação com o Equador".

"Nesse sentido, o Ministério das Relações Exteriores apoiará as gestões voltadas à bem-sucedida conclusão deste processo", disse.

A missão da OEA, dirigida pelo boliviano Víctor Rico, foi fixada para buscar soluções à crise diplomática entre as duas nações, que compartilham uma fronteira de 586 quilômetros.

Quito rompeu suas relações com Bogotá por causa da incursão de 1° de março, na qual o porta-voz internacional das Farc, "Raúl Reyes", foi abatido.

A crise entre Colômbia e Equador, que acabou ganhando a solidariedade da Venezuela e da Nicarágua, terminou em 7 de março, durante a Cúpula do Grupo do Rio em Santo Domingo, quando os dirigentes dos quatro países trocaram apertos de mão.

No entanto, o presidente do Equador, Rafael Correa, afirmou que não normalizará as relações enquanto o Governo do dirigente colombiano, Álvaro Uribe, não pôr fim a uma "campanha midiática" contra seu país. EFE gta/mac/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG