Panamá, 21 mai (EFE).- Altos comandantes militares da Colômbia e do Equador fecharam hoje um acordo para reativar a Cartilha de Segurança da fronteira entre ambos os países, visando restabelecer as relações diplomáticas bilaterais, informaram fontes oficiais.

O acordo foi fechado durante um encontro a portas fechadas entre delegados das Forças Armadas de ambos os países, observado pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

Ao término da reunião, a OEA no Panamá observou em comunicado que ambas as delegações "concordaram em restabelecer a vigência, de forma temporária, da Cartilha de Segurança para Unidades Militares e de Polícia Fronteiriça da República da Colômbia e do Equador".

A OEA indicou que a reativação será provisória "até que ambos os Governos acordem mecanismos mais amplos", o que já tem sido tratado pelos vice-ministros de Relações Exteriores do Equador e da Colômbia.

Víctor Rico, representante pessoal do secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, informou que a reunião foi realizada "em um ambiente de cordialidade e respeito".

No encontro houve uma troca "franca e direta" entre ambos os chefes militares que lideraram o diálogo, "no qual se analisou a maneira em que o cumprimento da Cartilha de Segurança pode evitar futuros incidentes na fronteira", acrescentou Rico.

A mencionada "Cartilha de Segurança" esteve vigente até a operação militar colombiana contra um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Equador, em 1º de março passado.

Participaram da reunião o chefe do Comando Conjunto das Forças Armadas do Equador, Fabián Varela Moncayo, e o comandante geral das Forças Militares da Colômbia, Freddy Padilla, acompanhados por altos chefes militares de ambos os países.

Também estiveram presentes as embaixadoras no Panamá da Colômbia, Gina Benedetti, e do Equador, e Elsa Villacis.

O diretor do escritório da OEA no Panamá, Raúl Lago, também participou do encontro realizado na sede do organismo na Cidade do Saber, localizada na antiga base militar de Clayton, às margens do Canal do Panamá.

Colômbia e Equador romperam relações diplomáticas no dia 3 de março, após o ataque militar colombiano a um acampamento das Farc na região de Angostura, em território equatoriano, onde morreram o porta-voz internacional dessa guerrilha, "Raúl Reyes", e outras 25 pessoas.

No final de abril, se reuniram no Panamá os vice-chanceleres da Colômbia e do Equador, na mesma sede da OEA, que ofereceu sua gestão de bons ofícios para restabelecer as relações entre ambas as nações.

Em Washington, o secretário-geral da OEA anunciou hoje que a próxima semana haverá uma terceira reunião entre os vice-chanceleres do Equador e da Colômbia, que provavelmente será seguida por um encontro dos chanceleres em junho. EFE Fa/fb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.