Colômbia diz ter trocado identidade de traficante morto

A polícia colombiana divulgou que o narcotraficante morto em uma operação é Víctor Manuel Mejía Múnera e não seu irmão gêmeo, Miguel Ángel, como anunciado anteriormente. Segundo o jornal colombiano El Tiempo, a confusão se deu porque na chácara onde o criminoso foi surpreendido pela unidade de elite da polícia, foram encontrados documentos de seu irmão.

BBC Brasil |

    Exames de datiloscopia, no entanto, revelaram horas mais tarde a identidade verdadeira do narcotraficante.

    Víctor Mejía e Miguel Ángel, dois dos criminosos mais procurados na Colômbia, encabeçavam a gangue conhecida como "Los Mellizos" (Os Gêmeos), surgida depois da desmobilização dos grupos paramilitares colombianos de extrema direita.

    O governo dos Estados Unidos oferecia uma recompensa de US$ 5 milhões (cerca de R$ 8,5 milhões) por informações sobre o paradeiro de qualquer um dos irmãos.

    AP
    gabi

    Os EUA ofereciam uma recompensa de US$ 5 mi
    por
    informações sobre os irmãos

    Segundo a polícia, Mejía foi morto em um enfrentamento com policiais na localidade de Caucasia, no departamento de Antioquia, onde estava escondido com outros integrantes de seu grupo.

    Conforme a polícia, ele vestia um uniforme militar americano quando foi encontrado.

    De acordo com as autoridades colombianas, no confronto também foram mortos dois seguranças de Mejía. Outros três homens do bando foram presos.

    O ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, espera agora que Miguel Ángel se entregue às autoridades, sob ameaça de ter o mesmo destino do irmão.

    Segundo o ministro, o criminoso "estimulava a criação de gangues criminosas" e articulou seu funcionamento em vários departamentos do país.

    "Ele era talvez o criminoso mais procurado da Colômbia", disse o ministro.

    "Nova geração"

    Segundo o correspondente da BBC na Colômbia, Jeremy McDermott, a morte de Mejía é uma dupla vitória para o governo colombiano.

    Conforme McDermott, Mejía era não apenas um importante traficante de drogas, mas também o líder de uma nova geração de criminosos que se espalhou pelo país depois da desmobilização do grupo paramilitar Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC).

    Em 2004, durante as negociações entre o governo colombiano e as AUC, os irmãos Mejía Múnera tentaram se beneficiar de uma lei que previa a redução de penas para chefes paramilitares.

    Muitos chefes paramilitares colombianos têm vínculos com o tráfico de drogas. No entanto, o governo do presidente Álvaro Uribe não aceitou a inclusão dos irmãos Mejía Múnera nas negociações.

    Desde então, o paradeiro dos irmãos era desconhecido pelas autoridades colombianas.

    Leia mais sobre: Colômbia

      Leia tudo sobre: colômbia

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG