Colinas de Golan estão no centro das negociações entre Israel e Síria

As Colinas de Golan, no centro das negociações de paz entre Israel e Síria, que foram retomadas nesta quarta-feira, representam uma importância estratégica para os dois países, principalmente pela questão hídrica.

AFP |

O lado israelense se estende sobre a Galiléia e o lago de Tibériade, enquanto o lado sírio abrange a estrada para Damasco. Outro ponto estratégico é o Monte Hermon, onde o exército israelense instalou uma estação-radar há 2.224 metros.

O exército israelense conquistou em 9 de junho de 1967 - na Guerra dos Seis Dias - as Colinas de Golan, de onde o exército sírio bombardeava posições do Estado hebreu. Uma área suplementar de cerca de 510 km2 foi ocupada por Israel na Guerra do Yom Kipur (1973), seguidamente restituída, com uma pequena parte dos territórios conquistados em 1967, em 1974.

O acordo de 1974 também criou uma zona desmilitarizada, cercada de cada lado por uma zona onde os armamentos são limitados. Desde então, a Força das Nações Unidas no local (FNUOD) controla o cumprimento do acordo.

Cerca de 1.200 km2 das Colinas de Golan, que também fazem fronteira com o Líbano e a Jordânia, foram anexados por Israel em 1981, uma medida que nunca foi reconhecida pela comunidade internacional.

Durante as guerras de 1967 e 1973, quase 150.000 pessoas, a maioria dos habitantes sírios do Golan, fugiram. Os únicos que permanecem atualmente sob ocupação israelense são cerca de 18.000 drusos que em sua maioria recusou o passaporte israelense.

Desde 1967, quase 20.000 colonos israelenses se instalaram no local, dividido atualmente em 33 áreas, essencialmente agrícolas. De acordo com as autoridades de Golan, 21% da produção vitícola de Israel vêm da região, assim como 50% da produção de água mineral e 40% da carne bovina.

O Golan é tão importante para Israel, com um déficit crônico de água potável, quanto para a Síria, uma vez que estão aí localizadas fontes importantes, principalmente as de Banyas que alimentam o rio Jordão.

O rio Hasbani, que nasce no Líbano, atravessa o Golan antes de desaguar no Jordão, assim como o rio Dan.

A questão da água sempre foi um dos eixos centrais dos conflitos entre Israel e seus vizinhos, principalmente da guerra dos Seis Dias em 1967.

Iniciadas nos anos 90, as negociações entre Israel e Síria sempre foram tensas quando o assunto eram as Colinas de Golan, exigidas pela Síria até às margens do lago de Tibériade, principal reserva de água de Israel. As últimas negociações foram paralisadas em 2000.

clsa/fb/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG