Bucareste, 30 nov (EFE).- Mais de 18.

000 colégios eleitorais abriram hoje suas portas às 7h (3h de Brasília) para as eleições legislativas que estão sendo realizadas na Romênia.

Mais de 18 milhões de romenos foram convocados às urnas, nas primeiras eleições após a entrada do país na União Européia em 2007, para escolher o Governo que vai dirigir o país durante a crise econômica internacional.

Os colégios fecharão às 21h (17h de Brasília), após um dia de reflexão e uma campanha eleitoral que durou 30 dias.

O eleitores deverão renovar por quatro anos os 452 mandatos do Parlamento bicameral, 137 correspondentes ao Senado e outros 315 à Câmara Baixa.

Também acontece pela primeira vez neste pleito a votação pelo sistema uninominal, o que supõe votar diretamente nos candidatos e não nas listas dos partidos.

Os exatamente 18.313.440 eleitores decidirão a composição do novo legislativo de entre 2.965 candidatos de 35 partidos políticos, alianças eleitorais e organizações das minorias nacionais, além de 31 de independentes.

A aliança do Partido Social Democrata e o Partido Conservador (PSD-PC), por um lado, e o Partido Democrata Liberal (PDL), por outro, ambos na oposição, lideram as pesquisas empatados com cerca de 34% dos votos.

Ambos os blocos apresentam um número quase igual de candidatos, 452 e 451, respectivamente.

O Partido Nacional Liberal (PNL), no Governo, que obteria 20% dos votos, propõe também 452 candidatos, enquanto seu parceiro, a União Democrata dos Húngaros da Romênia, alcançaria 5,5% dos apoios.

O ultradireitista Partido Romênia Grande (PRM) apresenta 441 candidatos, embora seja possível que não supere o umbral eleitoral dos 5% necessário para aceder ao Parlamento.

Dentre as legendas extraparlamentares, sobressai o Partido Nova Geração-Cristã Democrata (PNG-CD) que propõe candidatos para cada uma das 452 cadeiras parlamentares.

Por sua parte, as organizações das minorias nacionais têm reservados 18 postos na Câmara dos Deputados.

Dado que, segundo as pesquisas, nenhum partido obteria uma maioria absoluta, prevê-se que o futuro Governo deverá sair de uma coalizão.

Os eleitores poderão votar somente nos colégios onde estão inscritos, o que suprime pela primeira vez as listas adicionais das estações de ferrovia, estações de ônibus e aeroportos, existentes até agora.

Os romenos no exterior poderão exercer seu direito a voto só se viverem legalmente no país de amparada e terem documentos de identidade válidos. EFE av/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.