Berlim - Os colégios eleitorais dos estados federados alemães de Turíngia e Saxônia (leste do país) e Sarre (oeste) abriram neste domingo, às 3h de Brasília, para o pleito regional realizado quatro semanas antes das gerais do dia 27 de setembro.

Cerca de seis milhões de eleitores foram convocados às urnas, que se fecharão às 16h de Brasília, em eleições que, além do interesse local, são o último teste direto perante a carreira pela Chancelaria entre a titular, Angela Merkel, e seu ministro de Exteriores e candidato social-democrata, Frank-Walter Steinmeier.

O Partido Social-Democrata (SPD) precisa de alguma vitória para dar brio à campanha de Steinmeier pela Chancelaria, já que há meses as pesquisas o dão como derrotado.

A União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel e seus aliados da União Social-Cristã da Baviera (CSU) têm cerca de 14 pontos de vantagem sobre o SPD.

Tudo aponta para que as gerais coloquem fim à grande coalizão comandada por Merkel desde 2005 e comportarão o substituto de Steinmeier por Guido Westerwelle, líder do Partido Liberal (FDP).

Nos três estados em disputa a CDU de Merkel governa e as pesquisas apontam que ela defenderá sua posição de primeira força.

No entanto, prevê-se notáveis perdas de votos na Turíngia e em Sarre, onde governa sozinho, o que a obrigará a buscar um parceiro ou inclusive poderia provocar um revezamento no poder com o SPD como força governamental, escorada na Esquerda.

Esta combinação daria a oportunidade de arrebatar até dois Länder da CDU, mas traz riscos para Steinmeier. Apesar da Esquerda ter experiência de Governo com o SPD em estados do leste, a questão é um tabu no oeste por agrupar em suas fileiras comunistas, considerados herdeiros do regime germânico-oriental.

Leia mais sobre: Alemanha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.