Coalizão governista confirma vitória no Líbano

Autoridades do Líbano confirmaram, nesta segunda-feira, que a coalizão governista liderada por Saad Hariri, e que conta com apoio dos Estados Unidos e da Arábia Saudita, conquistou a maioria do Parlamento do país nas eleições realizadas no domingo. Segundo o Ministério do Interior libanês, a aliança 14 de Março conquistou 71 cadeiras, enquanto a oposição, liderada pelo grupo Hezbollah e com apoio da Síria e do Irã, ficou com 57 assentos.

BBC Brasil |

Na madrugada da segunda-feira, quando anunciou sua virtual vitória, Hariri disse que gostaria de manter um diálogo com o Hezbollah, e pediu para as pessoas que votaram no grupo que se unam e trabalhem juntos para o bem do país.

O líder governista é filho do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, morto em um atentado a bomba em 2005, que o Líbano atribuiu à Síria. O governo sírio negou seu envolvimento.

União
Mesmo antes da confirmação do resultado da votação, alguns políticos do movimento 8 de Março, liderado pelo Hezbollah, admitiram a derrota através de declarações nas emissoras locais.

O grupo xiita declarou que não estava preocupado com uma eventual derrota no pleito.

De acordo com o próprio Hezbollah, o partido elegeu todos os 11 candidatos que disputaram as eleições.

Cerca de 3 milhões de eleitores estavam aptos a votar, mas o comparecimento ficou em 52% de votantes - um aumento de 20% em comparação às eleições de 2005, de acordo com o ministro do Interior, Ziad Baroud.

O governo colocou em torno de 50 mil soldados e policiais pelo país para prevenir violência, mas não houve maiores incidentes.

Mesmo com uma vitória do 14 de Março, analistas acreditam que haverá a formação de um governo de união nacional agregando as principais forças políticas da oposição.

O 14 de Março recebe apoio dos Estados Unidos, que temiam um governo libanês controlado pelo Hezbollah, que consta na lista americana como grupo terrorista.

A atual maioria governista chegou ao poder em 2005, depois do assassinato do ex-premiê Rafik al-Hariri.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG