Clinton volta ao trabalho após procedimento no coração

Por Michelle Nichols NOVA YORK (Reuters) - O ex-presidente norte-americano Bill Clinton voltou ao trabalho de ajuda ao Haiti nesta sexta-feira, um dia depois de ser submetido a um bem-sucedido procedimento no coração em um hospital de Nova York para desobstruir uma artéria coronária.

Reuters |

Imagens de televisão mostraram Clinton, que foi presidente entre 1993 e 2001, caminhando até o seu veículo ao deixar o hospital e depois chegando em casa em Chappaqua, subúrbio de Nova York.

"O presidente Clinton recebeu alta do Presbyterian/Columbia, de Nova York, esta manhã com uma saúde excelente", disse Douglas Band, assessor de Clinton, em um comunicado.

Mais tarde, Clinton divulgou uma nota para marcar o aniversário de um mês do terremoto no Haiti que matou mais de 200 mil pessoas e deixou mais de um milhão de desabrigados.

"Apesar das perdas enormes, o Haiti ainda tem uma chance para escapar das algemas do passado e dos danos do terremoto. Mas todos nós teremos que fazer o que podemos hoje", afirmou ele.

Clinton, de 63 anos, passou por uma operação de ponte de safena quádrupla em 2004 para liberar quatro artérias bloqueadas, e o último incidente ocorreu depois de duas viagens ao Haiti.

Dois stents foram colocados em uma das artérias coronárias de Clinton depois que os exames mostraram que uma das artérias operadas em 2004 precisava ser reaberta, disse o médico Allan Schwartz, chefe da cardiologia do Columbia, a jornalistas.

Ele afirmou que não havia indícios de que Clinton havia tido um enfarte nem de qualquer lesão no coração. Schwartz disse que Clinton poderia retomar seu "estilo de vida bastante ativo" e deu ao ex-presidente um prognóstico "excelente".

A mulher de Clinton, a secretária de Estado Hillary Clinton, chegou ao hospital na noite de quinta-feira, onde encontrou a filha Chelsea.

Uma importante autoridade disse à Reuters que a viagem de Hillary Clinton para o Catar e a Arábia Saudita, planejada para sexta-feira, havia sido adiada para sábado, mas o adiamento não afetaria suas reuniões nos dois países.

A Casa Branca informou que Clinton disse ao presidente Barack Obama que se sentia "absolutamente ótimo" após a operação.

CORRIDA E HAMBÚRGUERES

A implantação de 'stents' é um procedimento relativamente rotineiro em pacientes como Clinton, que já sofreram problemas cardíacos.

Os stents são minúsculos tubos utilizados para manter abertas as artérias coronárias desobstruídas por meio de angioplastia. Atualmente eles com frequência são cobertos com medicamentos para ajudar a prevenir a reobstrução.

Assim como muitos norte-americanos, Clinton tem dificuldade para manter o peso.

Ele foi presidente durante oito anos de prosperidade econômica e tumultos políticos numa Presidência marcada por um escândalo sexual e de perjúrio. Enquanto esteve no cargo, ele ficou conhecido por gostar de hambúrgueres e de 'junk food' e também era visto com frequência correndo.

Depois da operação de 2004, ele pareceu mais magro e saudável do que quando presidente.

Clinton uniu-se ao ex-presidente George W. Bush numa campanha para arrecadar dinheiro para os sobreviventes do tsunami na Ásia de 26 de dezembro de 2004 que matou mais de 300 mil pessoas.

Ele também criou uma fundação para deixar um legado para além da Casa Branca, que pressiona grandes empresas e pessoas ricas a tentar ativamente resolver alguns dos piores problemas mundiais.

Mais recentemente, Clinton, como enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) ao Haiti, coordenou iniciativas de assistência após o terremoto de 12 de janeiro.

(Reportagem adicional de Mark Egan)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG