Clinton e jornalistas dos EUA deixam Coreia do Norte após perdão

Por Jonathan Thatcher SEUL (Reuters) - O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton deixou a Coreia do Norte nesta quarta-feira com duas jornalistas que estavam presas no país, após conseguir a libertação das repórteres num encontro com o líder da nação comunista.

Reuters |

Segundo uma autoridade norte-americana, Clinton não prometeu nenhuma recompensa ao governo de Pyongyang para conseguir a libertação.

A fonte disse que Clinton conversou com o líder norte-coreano sobre "as coisas positivas que podem acontecer" a partir da libertação de Laura Ling e Euna Lee, que estavam detidas desde março.

A fonte do governo Obama não deu mais detalhes, mas alguns analistas especularam que a visita de Clinton e as negociações com o líder norte-coreano Kim Jong-il podem abrir as portas para a retomada das conversações sobre o desarmamento da Coreia do Norte.

"O presidente Clinton deixou claro que essa era uma missão humanitária puramente particular", disse a autoridade dos EUA a jornalistas em Washington, após Kim ter perdoado as jornalistas e permitido que elas voltassem a Los Angeles com Clinton.

A esposa do ex-presidente, a secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton, disse a repórteres em Nairóbi que estava feliz e aliviada: "É um ótimo dia poder ver isso acontecer", disse ela.

A Coreia do Norte havia concordado antes da viagem de Clinton que a visita do ex-presidente não teria ligação com a questão nuclear, disse a autoridade, falando sob condição de anonimato.

As duas jornalistas que trabalham para a emissora Current TV, co-fundada pelo vice-presidente de Clinton, Al Gore, foram presas por terem cruzado de forma ilegal a fronteira da Coreia do Norte com a China.

Elas foram sentenciadas em junho a 12 anos de trabalho forçado.

Imagens de televisão mostraram as duas jornalistas vestindo camisetas verde e vermelha e carregando bagagens, recebidas por Clinton ao entrar no avião. Clinton colocou sua mão sobre o coração e então fez uma saudação final às autoridades norte-coreanas no aeroporto.

Os mercados financeiros em Tóquio e Seul ignoraram a visita, apesar de alguns traders sul-coreanos terem afirmado que há uma atmosfera mais positiva após uma série de relatos negativos a respeito da Coreia do Norte nos últimos meses.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG