Clima exige ação de países em desenvolvimento, diz Grã Bretanha

Por Robin Pomeroy LONDRES (Reuters) - Os países em desenvolvimento como China e Índia devem aceitar a imposição de limites às emissões de gases-estufa se o mundo quiser selar este ano um novo tratado para combater a mudança climática, afirmaram ministros do governo britânico na terça-feira.

Reuters |

O ministro das Relações Exteriores britânico, David Miliband, disse que há um risco real de as conversações na Dinamarca em dezembro (para definir um acordo que substitua o Protocolo de Kyoto) fracassarem se os políticos centrarem o foco na desaceleração econômica em vez da ameaça da mudança climática.

"Há o perigo real de as reuniões marcadas para dezembro não terem um resultado positivo e há um perigo igual de que no período que antecede o encontro de Copenhague as pessoas não acordem para o risco de um fracasso antes que seja muito tarde," disse ele em uma entrevista coletiva.

Diferentemente das conversações em Kyoto, onde os atritos entre Europa e Estados Unidos foram o principal conflito, no período que antecede a conferência de Copenhague são as diferenças entre os países mais ricos e os que se desenvolvem rapidamente que podem atrapalhar um acordo.

O Protocolo de Kyoto, válido até 2012, comprometia a maioria dos países desenvolvidos com cortes de emissões, mas não estabelecia metas para os mais pobres, cujas emissões per capita eram muito menores.

Com a ascensão da China e da Índia --e o aumento das suas emissões de gases responsabilizados pela mudança climática--, isso agora deve mudar, afirmam políticos do Ocidente.

"Não há dúvida de que os países desenvolvidos têm responsabilidade pela mudança climática que já está acontecendo e que vai ocorrer durante algumas décadas a contar deste momento," afirmou Ed Miliband, ministro britânico de Energia e Mudança Climática, que falou na entrevista coletiva ao lado do irmão David.

"Mas a outra verdade no centro dessas negociações é que 90 por cento do crescimento das emissões virá dos países em desenvolvimento."

"Os países em desenvolvimento precisam também ser parte da solução. Nenhum corte nas emissões atuais, mas eles precisam mostrar como reduzirão o crescimento de suas emissões até 2020 antes dos cortes nas emissões posteriores."

O primeiro-ministro Gordon Brown disse que o mundo deveria reservar 100 bilhões de dólares por ano até 2020 para ajudar os países mais pobres a lidarem com as conseqüências da mudança climática.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG