Clegg: coalizão com conservadores "incomodou"

Número dois do governo diz que coalizão, porém, valeu a pena. "Não havia outro caminho possível"

iG São Paulo |

Cameron enfrenta desafios além de sua coalizão

O vice-primeiro-ministro britânico e líder do partido Liberal-Democrata, Nick Clegg, admitiu em artigo publicado neste sábado pelo jornal "The Guardian" que o acordo para governar em coalizão com os conservadores incomodou e causou surpresa em setores de seu partido, mas assinala que valeu a pena.

"Sei que o nascimento desta coalizão causou uma grande surpresa e incomodou. Há pessoas que, tanto na direita como na esquerda, pensam que isto não deveria ter acontecido. Mas a verdade é esta: não havia outro caminho possível para lidar com o resultado das urnas", afirma Clegg.

As eleições de 6 de maio deixaram o Partido Conservador do primeiro-ministro David Cameron com a primeira maioria simples dos últimos 36 anos, e só uma coalizão de governo com seu partido, argumenta Clegg, faria possível uma legislatura estável.

Os "tories" conseguiram eleger 306 deputados, os trabalhistas do ex-primeiro-ministro Gordon Brown 258 e os liberais-democratas 57, em uma Câmara dos Comuns (câmara baixa do Parlamento) com 650 cadeiras.

Nestas circunstâncias, "a aritmética parlamentar transformava em impraticável uma coalizão liberal-trabalhista, que seria considerada ilegítima pelo povo britânico", disse.

O "número dois" do governo britânico disse ainda que um governo em minoria seria "demasiado frágil para enfrentar os desafios políticos e econômicos que temos pela frente".

Clegg ressalta a ambição "liberal" de seu partido neste pacto de governo com os "tories", o que foi considerado uma traição por muitos militantes do partido, que se consideram mais próximos ao trabalhismo que ao Partido Conservador.

Perfil

Nick Clegg, o jovem líder do partido liberal-democrata, foi escolhido na terça-feira para ocupar o cargo de vice-premier do novo governo britânico, liderado pelo conservador David Cameron. Clegg será um dos cinco liberais democratas no gabinete do governo de coalizão liderado por Cameron.

Talentoso orador e defensor radical das liberdades civis, Clegg, 43 anos, deu nova vida aos liberais democratas, após assumir a liderança do partido em dezembro de 2007. "Estou aqui para persuadi-los de que existe uma alternativa aos dois velhos partidos", afirmou durante a campanha.

Opositor da guerra no Afeganistão, defende o congelamento do programa nuclear britânico e foi um dos primeiros a pedir a demissão do presidente da Câmara dos Comuns após um escândalo sobre gastos dos deputados.

(*com informações da Efe e AFP)

    Leia tudo sobre: Eleições britânicas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG