Cipriotas gregos e turcos comemoram abertura de passagem simbólica

Um novo ponto de passagem na região que simbolizou por décadas a divisão do Chipre foi aberto nesta quinta-feira em meio a uma grande comemoração em Nicósia, permitindo vislumbrar um novo panorama nos esforços de reunificação da ilha.

AFP |

Balões de gás foram soltos para marcar a abertura da passagem na rua Ledra, no coração da Nicósia, a última capital dividida do mundo. Fechado desde 1963, este ponto de passagem situado na zona tampão, administrada pela ONU, liga o norte e o sul da capital.

A prefeita cipriota-grega, Eleni Mavrou, e o prefeito cipriota-turco, Cemal Bulutoglulari, assistiram juntos à cerimônia de abertura, acompanhados por representantes da União Européia, da ONU e diplomatas.

Mavrou considerou que a abertura é a "primeira etapa" para a reunificação do Chipre, dividido desde a ocupação de sua parte norte pelo Exército turco em 1974.

"Hoje, assistimos à queda de um dos obstáculos à reunificação da ilha", afirmou Ozdil Nami, assistente do líder cipriota-turco Mehmet Ali Talat. "A rua Ledra simboliza meio século de divisão".

Uma multidão aguardava dos dois lados da zona tampão para poder atravessar o ponto de passagem, onde grandes lonas foram estendidas para esconder as fachadas crivadas de balas de um bairro abandonado há 34 anos.

"Vi a guerra e os confrontos de 1963", disse Demetris Costantinou, 73 anos. "Vim para ver exatamente o contrário: a união de um povo e de uma cidade".

Elizabeth Spehar, responsável pela missão da ONU no Chipre, saudou "o evennto histórico". "A abertura da rua Ledra não significa a paz. Mas ela dá uma idéia daquilo que pode ser obtido".

A Presidência eslovena da UE, bloco do qual o Chipre é membro desde 2004, classificou a abertura da passagem de "medida prática e simbólica, aproximando as duas comunidades e contribuindo para reforçar a confiança mútua".

A República Turca do Chipre do Norte (RTCN), proclamada em 1983 no norte ocupado, é reconhecida apenas por Ancara.

Após anos de bloqueio das negociações, a eleição em fevereiro do comunista Demetris Christofias à Presidência da República do Chipre reavivou as esperanças de uma solução negociada.

Ao fim de um primeiro encontro em 21 de março, Christofias e Talat anunciaram que iniciariam no final de junho negociações para uma reunificação. Eles logo se comprometeram a abrir rapidamente a passagem de Ledra.

Foi na rua Ledra que as primeiras barricadas foram erguidas na Nicósia, no final de 1963, durante a onda de violência intercomunitária que levaram à intervenção da ONU em 1964.

Este é o segundo ponto de passagem aberto para pedestres na Nicósia e o sexto na ilha desde que os cipriotas-turcos retiraram as restrições para a passagem dos cipriotas-gregos em abril de 2003.

jac/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG