Cinzas vulcânicas cancelam voos na Europa pelo terceiro dia

Por Mark Trevelyan LONDRES (Reuters) - O caos aéreo na Europa agravou-se neste sábado à medida que uma imensa nuvem de cinzas vulcânica se espalhava pelo continente, impedindo três a cada quatro voos e detendo milhares de passageiros em todo o mundo.

Reuters |

A agência de aviação Eurocontrol disse que nenhum pouso ou decolagem era possível para aeronaves civis em grande parte do norte e do centro da Europa, devido à nuvem formada pela erupção de um vulcão na Islândia.

A agência espera apenas 6.000 voos no espaço aéreo europeu, ou 27,3 por cento do nível normal para um sábado. Na sexta-feira, houve 10.400 voos, ou 35,9 por cento do número habitual para o dia.

"As previsões indicam que a nuvem de cinzas vulcânicas persistirá e que o impacto continuará pelo menos pelas próximas 24 horas", disse a agência em comunicado.

A coluna de fumaça que subiu para as partes mais altas da atmosfera, onde pode causar destruição das turbinas e estrutura dos aviões, está custando às companhias aéreas mais de 200 milhões de dólares por dia e arruinou planos de viagem ao redor do mundo.

A erupção parece estar arrefecendo neste sábado, mas pode continuar por dias ou até meses, disseram autoridades. Não há fim previsto para o problema aéreo, que coincidiu com o fim do feriado de Páscoa na Europa.

A França informou que os aeroportos de Paris devem permanecer fechados pelo menos até as 3 horas (horário de Brasília) da segunda-feira. A British Airways, atingida por greves no mês passado, que já custaram cerca de 70 milhões de dólares à empresa, cancelou todos os voos saindo e chegando da Europa neste domingo.

A TUI Travel, maior operadora de turismo da Europa, disse que estava cancelando todas as viagens pelo menos até as 5 horas (horário de Brasília) do domingo.

Os problemas se espelharam pela Ásia, onde dezenas de voos com destino à Europa foram cancelados, e hotéis de Pequim a Cingapura tiveram dificuldade para acomodar milhares de passageiros.

Em Cingapura, uma importante rota para passageiros com destino à Europa, 22 voos foram cancelados no começo deste sábado, disse à Reuters Ivan Tan, porta-voz do Aeroporto de Changi.

"Não sabemos aonde ficar", reclamou o alemão Dirk Kronewald. "Os hotéis de Cingapura estão lotados."

Os militares norte-americanos tiveram que refazer a rota de muitos voos, incluindo aqueles que retiravam feridos do Afeganistão e do Iraque, disse um porta-voz do Pentágono.

Chefes financeiros europeus se desdobraram para encontrar uma forma de voltar para casa depois de um encontro na capital espanhola, Madri. O Intercontinental Hotel, onde o chefe do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, e outros ministros das Finanças se reuniam, está cobrando 4.000 euros (5.600 dólares) por um carro com chofer até Paris.

A interrupção nos voos é a pior desde os ataques de 11 de setembro de 2001 a Nova York e Washington, quando o espaço aéreo norte-americano ficou fechado por três dias e companhias aéreas europeias foram forçadas a suspender todos os serviços transatlânticos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG