Cinzas de vulcão islandês podem causar cancelamento de até 500 voos

Advertência é feita por responsável da Eurocontrol; cancelamento de 252 voos força passageiros a passar noite em aeroportos

iG São Paulo |

Brian Flynn, responsável pelas operações da Agência Europeia para a Segurança da Navegação Aérea (Eurocontrol), anunciou nesta terça-feira que 252 foram cancelados pela densa nuvem de cinzas expelida pelo vulcão islandês Grimsvötn, alertando que até 500 outros poderiam ser afetados.

Empresas como British Airways, Easyjet e KLM decidiram suspender suas atividades na Escócia, e alguns voos transatlânticos foram adiados.

Por causa dos cancelamentos no país, alguns passageiros passaram a noite no aeroporto de Edimburgo. De acordo com a Autoridade de Aviação Civil britânico, há alta densidade de cinzas nos céus sobre partes da Escócia na manhã desta terça-feira, sendo provável que o fenômeno afete o norte da Inglaterra e a Irlanda do Norte à tarde.

De acordo com Flynn, as cinzas devem se deslocar ao longo do dia para afetar o sul da Escandinávia, a Dinamarca e, provavelmente, o norte da Alemanha. Ele indicou que a nuvem vulcânica pode seguir seu curso em direção ao sul conforme avança a semana, aproximando-se de França e Espanha, embora tenha advertido que as previsões ainda não são precisas.

As autoridades norueguesas anunciaram nesta terça-feira o fechamento parcial de seu espaço aéreo a partir das 3h de Brasília por causa da concentração de cinza. No país, a operadora aeroportuária Avinor anunciou nesta terça-feira “algumas restrições” ao tráfego aéreo na costa oeste do país como precaução pela chegada das cinzas do Grimsvötn ao país.

A ameaça de mais interrupções aéreas fez com que o presidente dos EUA, Barack Obama, adiantasse em um dia sua ida de Dublin ( Irlanda ) a Londres , as duas primeiras paradas de seu giro pela Europa nesta semana. Na Inglaterra, milhares de passageiros correm o risco de ter seus voos cancelados entre 13h e 19h (horário local).

A Eurocontrol montou um grupo de gerenciamento de crise em antecipação ao possível alastramento das cinzas. No ano passado, as cinzas de outro vulcão islandês, o Eyjafjallajokull , provocaram o cancelamento de cerca de 100 mil voos na Europa ao longo de quase um mês, provocando um prejuízo estimado em US$ 1,7 bilhão (cerca de R$ 2,75 bilhões).

Especialistas dizem, porém, que o Grimsvötn não deve causar tantos problemas: além de a erupção atual ter menor escala, suas cinzas têm partículas maiores e, por isso, caem mais rapidamente no chão. Além disso, os estudos e análises realizados durante a crise do ano passado levaram as autoridades europeias a elevar a concentração limite das cinzas para a permissão de voo em 20 vezes, reduzindo a possibilidade de restrições.

Cinzas concentradas

Segundo a Eurocontrol, a previsão é de que a nuvem de cinzas se espalhe pelo norte da Escandinávia e da Rússia nos próximos dois dias. A agência estima, porém, que as cinzas mais concentradas, que provocam problemas para o tráfego aéreo, devem ficar limitadas à costa oeste da Escócia.

O serviço meteorológico escocês previu que a nuvem de fumaça vulcânica chegaria na noite de segunda-feira ao país e a partes da Irlanda do Norte na manhã desta terça-feira.

Ainda assim, os meteorologistas disseram que o clima instável no norte da Europa nos últimos dias torna difícil prever qual direção a nuvem de fumaça tomará nos próximos dias. As decisões sobre o cancelamento de voos ou fechamento de espaço aéreo são normalmente tomadas com uma antecedência inferior a 24 horas.

Os temores sobre as consequências da nova erupção vulcânica na Islândia sobre o tráfego aéreo na Europa provocaram fortes baixas em várias ações ligadas ao setor na segunda-feira.

Segundo a Eurocontrol, o vulcão islandês continua em erupção, mas de forma menos intensa que em dias anteriores, pelo que a concentração de cinzas no ar é menor. Os baixos níveis de concentração não impedem que os aviões voem, segundo lembrou Flynn, enquanto em casos de alta concentração depende do tipo de aeronave e de outras circunstâncias.

O Grimsvötn, o vulcão mais ativo da Islândia, entrou em erupção no sábado. Essa erupção acontece cerca de um ano depois de um fenômeno similar no Eyjafjallajökull, outro vulcão islandês, ter paralisado o tráfego aéreo europeu durante várias semanas.

A União Europeia ativou ontem uma célula de coordenação de crise para responder com rapidez e de maneira ordenada ao possível impacto da nuvem vulcânica. O grupo, que reúne a Comissão Europeia (CE), as companhias aéreas europeias, os aeroportos, as autoridades nacionais de aviação e o Eurocontrol, emitirá diretrizes para esclarecer em que condições se poderá voar.

*Com AP, EFE e BBC

    Leia tudo sobre: islândiavulcãoeuropaaeroportosescócia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG