Cinzas causam quarto dia de caos aéreo na Austrália

Costa oeste australiana e Nova Zelândia sofrem com a nuvem de cinzas do complexo vulcânico Puyehue-Cordón Caulle

EFE |

Diversos voos para a cidade australiana de Perth foram cancelados nesta quarta-feira por causa da nuvem de cinzas do complexo vulcânico chileno Puyehue-Cordón Caulle. Esse é o quarto dia de caos nos aeroportos de Austrália e Nova Zelândia.

A empresa aérea Virgin Australia suspendeu nesta quarta-feira seus voos com origem em Perth ou que tenham a cidade do oeste australiano como destino, enquanto a Qantas suspenderá seus voos à tarde, informou a emissora local ABC.

Sean Donohue, representante da Virgin, explicou que a medida foi tomada porque a nuvem de cinzas se aproxima de Perth a menos de 4,5 quilômetros de altura, o que a torna impossível de ser evitada.

Qantas, Jetstar e Tiger Airways mantêm o cancelamento de seus voos à ilha australiana da Tasmânia e à Nova Zelândia, embora tenham retomado seus voos à cidade de Adelaide. Uma representante da Aerolíneas Argentinas na Austrália também afirmou que na terça-feira foi cancelado um de seus três voos semanais à América do Sul.

A companhia aérea argentina acrescentou que é possível que o voo de quinta-feira seja cancelado ou sofra atrasos, já que o avião que deveria partir de Buenos Aires não pôde sair por causa das condições meteorológicas.

O site da companhia aérea Lan não dá conta de nenhum cancelamento desde Austrália ou Nova Zelândia rumo à América do Sul até terça-feira. No entanto, informações do aeroporto de Sydney indicam que o voo desta quarta-feira da Lan com destino a Buenos Aires está cancelado.

A companhia aérea Air New Zealand e outras empresas como Emirates, Virgin Blue, Singapore Airlines, Malaysia Airlines, Thai Airways e Cathay Pacific seguem operando normalmente na Austrália e na Nova Zelândia, segundo a imprensa neozelandesa.

O complexo vulcânico Puyehue-Cordón Caulle, situado no sul do Chile e a nove mil quilômetros da Nova Zelândia, entrou em erupção em 4 de junho e gerou uma nuvem de cinzas que atravessou Argentina, Brasil e o sul da África do Sul antes de chegar à Austrália e à Nova Zelândia.

    Leia tudo sobre: chilevulcãovulcão Puyehuenova zelândiaaustrália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG