Cinza vulcânica pode agravar doenças respiratórias, diz OMS

Por Jonathan Lynn e Laura MacInnis GENEBRA (Reuters) - A erupção de um vulcão islandês, além de paralisar o tráfego aéreo na Europa, pode também afetar as pessoas com doenças respiratórias, disse a Organização Mundial da Saúde na sexta-feira.

Reuters |

O problema, segundo a agência da ONU, será quando essas partículas em suspensão começarem a cair. Estima-se que cerca de um quarto delas tenha menos de 10 micra (milésimos de milímetro), o que as torna mais perigosas, por entrarem mais fundo nos pulmões, disse a OMS em nota.

"Pessoas com doenças respiratórias crônicas, como asma, enfisema e bronquite, podem ser mais suscetíveis à irritação se a cinza estiver na baixa atmosfera em altas concentrações", disse a nota.

"Se as pessoas estiverem ao ar livre e notarem irritação na garganta e nos pulmões, coriza ou olhos ardendo, devem voltar para ambientes fechados e limitarem suas atividades ao ar livre."

Um especialista britânico em doenças respiratórias, no entanto, disse ser improvável que a cinza caída sobre a Grã-Bretanha cause maiores transtornos. "Há um enorme efeito diluente na atmosfera conforme ela se dispersa pelo vento, o que significa que a quantidade caindo no solo é muito pequena", afirmou à Reuters Ken Donaldson, professor de toxicologia respiratória da Universidade de Edimburgo.

A OMS recomendou "precauções normais", iguais às dos dias poluídos, às pessoas com doenças respiratórias, como evitar exercícios extenuantes.

Donaldson concordou com a recomendação de ficar em ambientes fechados se houver um nível excepcional de partículas no ar.

A erupção que começou na quarta-feira na Islândia gerou uma nuvem de cinzas que se espalhou pela Europa, causando a maior perturbação dos transportes aéreos desde os atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG