Cintura muito larga duplica risco de morte prematura (estudo)

Ter uma cintura de medidas bem generosas, ainda que o índice de massa corporal (IMC) esteja em dia, aumenta o risco de morte prematura, de acordo com um amplo estudo europeu divulgado nesta quarta-feira nos Estados Unidos.

AFP |

Uma comparação entre indivíduos com o mesmo índice de massa corporal mostra que o risco de morrer prematuramente aumenta de forma linear à medida que sobe o número do manequim, afirmam os autores do estudo publicado no "New England Journal of Medicine", datado de 13 de novembro.

O risco de morte prematura era quase duas vezes maior entre os participantes com uma ampla medida de cintura, ou seja, aqueles com mais de 120cm (homens), ou mais de 100cm (mulheres), em comparação às circunferências inferiores a 80cm para os homens e 65cm, para as mulheres.

Esse risco é similar, mesmo que o IMC esteja dentro da faixa normal, completa a pesquisa, realizada com 359.000 pessoas com média de 51,5 anos, das quais 65,4% eram mulheres, em nove países europeus.

O trabalho mostra, de forma contundente, que o excesso de gordura acumulada na cintura representa um risco importante para a saúde, mesmo que esses indivíduos não sejam considerados obesos, nem tenham sobrepeso, destacam os autores do estudo.

Cada aumento de cinco centímetros na circunferência da cintura aumenta o risco de mortalidade em 17% entre os homens e em 13%, entre as mulheres.

Os resultados dessa investigação deveriam estimular os médicos a medir, sistematicamente, o perímetro da cintura de seus pacientes, mesmo que seu IMC esteja dentro do considerado nomal, para avaliar seu estado de saúde e os riscos, destacaram os autores dos trabalhos do Imperial College de Londres, do Instituto alemão de Nutrição Humana e de outras instituições européias.

js/tt/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG