Cinderela larga príncipe e Branca de Neve toma Prozac em livro na Espanha

Um livro no qual Cinderela se rebela, vira vegetariana, sai do baile só de madrugada e larga o príncipe encantado, e em que sua amiga Branca de Neve usa Prozac para combater a depressão, se tornou um dos maiores sucessos de venda das últimas semanas na Espanha. A obra La Cenicienta que no Queria Comer Perdices (A Cinderela que não queria comer perdizes, em uma alusão ao tradicional final de contos em espanhol, que acabam com a frase foram felizes e comeram perdizes) vendeu mais de 50 mil exemplares no país nas seis primeiras semanas após seu lançamento.

BBC Brasil |

Divulgação

A Cinderela caricata do livro espanhol

A história foi criada quase que por brincadeira pela escritora Nunila López Salamero e pela desenhista Myriam Cameros Sierra. Elas contam que ofereceram o livro a várias editoras espanholas e não receberam nem um e-mail como resposta.

Com a ajuda de amigas e de associações de combate à violência contra a mulher, López e Cameros juntaram dinheiro em coletas para a primeira publicação e o sucesso foi imediato.

Receberam apoio de intelectuais espanhóis e chamaram a atenção de uma das maiores editoras da Espanha, a Planeta, que publicou o texto.

Outras princesas

A Cinderela espanhola do século 21 percebe que era uma mulher maltratada pela madrasta e suas irmãs, abandonada pelo pai, forçada a estar magra para caber em roupas de tamanho 38 e que o príncipe, depois que se tornou seu marido, era um mandão e eterno insatisfeito.

No livro, a renovada Gata Borralheira ainda se reencontra com suas amigas princesas que também estão em nova fase e com outros personagens de contos clássicos que decidem mudar de vida.

A Bela Adormecida explica como acordou sozinha, Branca de Neve sai da depressão, deixa o Prozac (remédio ansiolítico) e resolve se bronzear até ficar morena.

"(O livro) é dedicado a todas as mulheres valentes que querem mudar de vida", explicam as autoras.

Ele deverá ser lançado no Brasil em 2010, mas ainda sem previsão de data, nem título definitivo.

Leia mais sobre: literatura

    Leia tudo sobre: espanhaliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG