Cientistas sugerem exame genético para prever risco de câncer de mama

Londres, 27 jun (EFE) - Cientistas da Universidade de Cambridge (Reino Unido) propuseram submeter as mulheres a um exame genético para determinar, o mais rápido possível, o risco que elas correm de desenvolver câncer de mama. As mulheres cujos resultados no teste dessem positivo poderiam se submeter a revisões periódicas muito antes enquanto o resto poderia atrasá-las até 55 anos ou mais. Segundo Paul Pharoah, do departamento de oncologia dessa universidade, o exame poderia se consistir em um simples esfregaço de mucosa bucal. A tecnologia já existe e é utilizada pelas agências comerciais que se dedicam a estabelecer perfis genéticos. Por isso, elaborar um teste é relativamente fácil se for considerado que vale a pena o esforço, afirma o cientista, citado pelo jornal The Guardian.

EFE |

Em um estudo publicado hoje no "New England Journal of Medicine", a equipe dirigida por Pharoah explica que há sete variantes genéticas, além dos genes de alto risco mais conhecidos, como o BRCA1 e o BRCA2.

Sabe-se que esses dois últimos aumentam as possibilidades de desenvolver esse tipo de câncer se estiverem presentes na mulher em determinadas combinações.

Segundo os cientistas britânicos, as mulheres que, após serem submetidas a um teste genético, demonstrassem não correr praticamente risco de desenvolver um câncer de mama, não teriam que renunciar às revisões periódicas, mas dependeria delas fazê-las ou não.

As variantes do câncer de mama descobertas até o momento representam aproximadamente um terço de todas as componentes genéticas do câncer de mama, das quais os cientistas de Cambridge identificam sete, embora tenham descoberto outras duas.

O diretor de Pesquisas sobre o Câncer da Universidade de Cambridge e autor principal do estudo, Bruce Ponder, confia em um rápido desenvolvimento da tecnologia necessária, que poderia ocorrer nos dez próximos anos, e convém "começar já a pensar em como aplicar melhor esses avanços".

"Teremos muitas possibilidades de reduzir as mortes por câncer de mama" se for alcançado um teste genético capaz de identificar o mais rápido possível as mulheres que mais poderiam se beneficiar de um diagnóstico precoce, explica o cientista. EFE jr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG