Cientistas ressuscitam gene do extinto tigre-da-Tasmânia

Um grupo de cientistas anunciou nesta terça-feira um fato sem precedentes: a devolução à vida de um gene do tigre-da-Tasmânia, extinto desde 1936.

AFP |

Cientistas de universidades australianas e americanas isolaram o gene pertencente a um exemplar conservado há um século e o introduziram no embrião de um camundongo.

O tigre-da-Tasmânia ou tilacino é um marsupial australiano que se parece com um lobo.

"É a primeira vez que o DNA de uma espécie extinta é utilizado para provocar uma reação funcional em outro organismo vivo", declarou o coordenador da equipe, Andrew Pask, da Universidade de Melbourne.

O último tigre-da-Tasmânia morreu em cativeiro em 1936 em um zoológico de Hobart, capital da ilha australiana.

A caça desmedida da espécie precipitou o desaparecimento da mesma no início do século XX.

"Depois de ter constatado que se tratava do DNA de um tilacino, o implantamos em embriões de camundongos", disse Pask.

"O DNA ressuscitou, entrando em função no desenvolvimento da cartilagem do camundongo, que formará mais tarde os ossos", explicou.

Os resultados do estudo foram publicados na edição desta terça-feira da revista científica internacional Public Library of Science One (PLoS ONE).

"O potencial deste estudo é enorme, sobretudo para o desenvolvimento de novas biomedicinas e de uma compreensão melhor da biologia dos animais que desapareceram do planeta", opina Richard Behringer, da Universidade do Texas.

lb/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG