Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Cientistas prevêem intensificação das chuvas por mudança climática

(embargada até as 15h desta quinta, horário de Brasília) Washington, 7 ago (EFE) - As chuvas provavelmente se intensificarão em todo o planeta como resultado da mudança climática, prevêem cientistas americanos e britânicos em um estudo divulgado hoje pela revista Science.

EFE |

Os pesquisadores da Universidade de Miami e da Universidade de Reading, no Reino Unido, dizem que as chuvas já se tornaram mais intensas como resultado do aquecimento global.

Eles acrescentam que essa freqüência agora é maior do que as que os modelos climáticos tinham previsto.

"A atmosfera mais quente contém maiores níveis de unidade, que aumentam a intensidade das chuvas", explica Brian Soden, professor da Escola Rosenstiel de Ciências Marinhas e Atmosféricas da Universidade de Miami.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas utilizaram observações de satélites e simulações de computador com as quais analisaram a relação entre as chuvas tropicais e as mudanças na superfície terrestre, assim como o conteúdo de umidade atmosférica.

Nelas, ficou claro que nos períodos de temperaturas mais baixas houve uma redução nas precipitações, destacaram.

Em seu relatório, os pesquisadores dizem que suas observações revelam uma vinculação direta entre o clima mais aquecido e o aumento das precipitações extremas.

O aumento dessas chuvas é muito maior do que o previsto pelas atuais simulações de computador, o que sugere que as mudanças nas chuvas por causa do aquecimento global provavelmente foram subestimadas.

Segundo Soden, é crucial determinar o mais rápido possível as causas da divergência para compreender melhor as conotações do aquecimento global e o ciclo da água na Terra.

"A comparação entre as observações (de satélites) e as dos modelos de computador melhora nosso conhecimento sobre a forma como a chuva responde a um mundo cuja temperatura está aumentando", destaca no relatório Richard Allan, do Centro de Sistemas Científicos Ambientais da Universidade de Reading. EFE ojl/wr/db

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG