Cientistas italianos consideram que compatriota Cabibbo merecia o Nobel Física

Os físicos italianos, conhecidos em todo o mundo, manifestaram a sua decepção pela entrega nesta terça-feira do Prêmio Nobel de Física a dois japoneses, porque consideram que o pioneiro da descoberta pela qual foram premiados é seu compatriota Nicola Cabibbo.

AFP |

O Prêmio Nobel de Física 2008 foi atribuído ao norte-americano Yoichiro Nambu e aos japoneses Makoto Kobayashi e Toshihide Maskawa por trabalhos separados sobre a natureza das partículas fundamentais da matéria, chamadas quarks.

"Não posso esconder a amargura que nos inunda, porque os japoneses Kobayashi e Maskawa têm o único mérito de terem simplesmente generalizado uma idéia central, cuja paternidade é do físico italiano Nicola Cabibbo", considerou em um comunicado Roberto Petronzio, presidente do Instituto Italiano de Física Nuclear.

"É satisfatório que o Prêmio Nobel tenha sido atribuído a um ramo da física que atrai muitas atenções em todo o mundo e do qual todos nós esperamos descobertas fundamentais para entender o Universo, mas a amargura fica", escreveu.

"Cabibbo, de maneira autônoma e pioneira, entendeu o mecanismo do fenômeno dos quarks, o que logo foi generalizado pelos físicos premiados", ressaltou o cientista.

Nicola Cabibbo, físico da Universidade de Roma, não quis comentar o assunto.

Dois físicos italianos, Guglielmo Marconi e Enrico Fermi, foram premiados com o Nobel de Física no século passado.

Marconi (1874-1937) em 1909 pela radiotelegrafia e Fermi em 1938 por seus trabalhos relativos à radioatividade induzida.

Fermi, que desenvolveu o primeiro reator nuclear, é considerado um dos cientistas mais importantes do século XX.

kv/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG