Cientistas evitam transmissão hereditária de epilepsia em ratos

Cientistas britânicos anunciaram ter conseguido evitar a transmissão de um tipo hereditário de epilepsia entre gerações de ratos, através da manipulação genética. O gene envolvido, chamado Atp1a3, regula os níveis de substâncias como sódio e potássio nas células do cérebro, o desequilíbrio entre elas pode provocar algumas formas de epilepsia.

BBC Brasil |

"Há muito tempo, os cientistas suspeitam que essas substâncias levam a ataques epilépticos, mas nosso estudo é o primeiro que mostra, sem sombra de dúvida, que o responsável é um defeito no gene", disse o chefe da pesquisa, Steve Clapcote, da Universidade de Leeds.

No estudo, Clapcote e seus colegas descobriram que os ratos Myshkin que apresentavam ataques epilépticos tinham uma versão defeituosa do gene Atp1a3.

Para tentar neutralizar a ação desse gene, os cientistas cruzaram esses ratos com animais que portavam uma cópia normal do Atp1a3. Os filhotes nasceram completamente livres da epilepsia.

Humanos
"Nosso estudo identificou uma nova maneira pela qual a epilepsia pode ser provocada e evitada em ratos, e isso pode dar pistas sobre possíveis tratamentos e medidas preventivas para a doença em humanos", afirmou Clapcote.

Mas, segundo ele, ainda há "um longo caminho" até que essa pesquisa leve a terapias antiepilépticas, pois ainda é preciso determinar se o mesmo mecanismo age no homem.

O gene ATP1a3 humano tem mais 99% da sua composição igual à do rato.

Mas ainda não se sabe a causa da maioria dos casos de epilepsia em humanos
A doença afeta quase uma em cada 200 pessoas, e os atuais tratamentos com medicamentos são ineficazes em aproximadamente 30% dos pacientes.

O estudo da Universidade de Leeds foi publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG