Cientistas descobrem que mexilhões sobrevivem à acidificação dos oceanos

(Embargada até as 14h de Brasília) Londres, 12 abr (EFE).- Uma equipe de cientistas descobriu que os mexilhões são capazes de sobreviver à acidificação dos oceanos, após estudar o comportamento destes moluscos em uma zona do Pacífico com grandes concentrações de dióxido de carbono.

EFE |

Segundo publica hoje a revista britânica "Nature Geoscience", um grupo de pesquisadores da Universidade de Victoria (Canadá) dirigidos por Verena Tunnicliffe proporciona novos dados sobre a resposta dos organismos à acidificação dos oceanos, uma das principais ameaças atuais e futuras para a fauna marinha.

Para isso, os cientistas estudaram a resistência e a evolução dos mexilhões próximos ao vulcão de Eifuku, no arquipélago das Marianas, uma zona que tem um alto nível de acidificação.

De forma simultânea, os especialistas observaram o comportamento desta espécie em outras áreas com níveis de concentração de dióxido de carbono normais.

Assim, os cientistas descobriram que, apesar de a espessura da carapaça dos mexilhões das áreas mais acidificadas ser sensivelmente menor e de a taxa de crescimento ser reduzida pela metade, os moluscos eram capazes de resistir a estas duras condições.

De fato, embora a menor espessura da concha pudesse deixá-los mais indefesos frente a outros organismos marítimos, o nível de acidificação lhes proporcionava uma segurança adicional, ao impedir o desenvolvimento de outras espécies ameaçadoras, como os caranguejos. EFE avh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG