Cientistas criam software que prevê quais palavras desaparecerão

Londres, 26 fev (EFE).- Cientistas britânicos identificaram algumas das palavras mais antigas do idioma inglês, entre as quais estão o I (eu), we (nós), two (dois) e three (três), a partir de um software que também prevê os termos que se extinguirão com mais rapidez.

EFE |

O programa, elaborado pela Universidade de Reading, sudeste da Inglaterra, permite conhecer a evolução das palavras do inglês e dos demais idiomas com uma raiz comum indo-européia, que são a maioria das que são faladas desde a Índia até Europa Ocidental.

O software pode prever também algumas das palavras com maiores possibilidades de estar em vias de extinção, que, no caso da língua inglesa, são "squeeze" (aperto), "guts" (tripas), "stick" (pau) e "bad" (mau), entre outras.

Os pesquisadores de Reading, dirigidos pelo biólogo especializado em evolução Mark Pagel, utilizaram um computador da universidade para fazer um acompanhamento exaustivo no tempo das palavras e de suas relações com termos de outras línguas.

Desta forma, conseguiram desenvolver estimativas sobre o tempo que leva para uma determinada palavra ancestral se distanciar e ser usada para o mesmo conceito por duas ou mais línguas distintas.

Essas estimativas foram integradas em um algoritmo, que permite conhecer matematicamente as palavras usadas em uma determinada data do passado e as que serão empregadas no futuro.

O programa oferece uma lista de palavras que não variaram muito desde sua raiz ancestral comum, palavras que oferecem sons similares às das "descendentes" modernas e cujos significados podem, portanto, ser reconhecíveis só pelo som.

No entanto, o modelo não pode identificar termos que existiram e que já se extinguiram e só pode sugerir, sem garantia de acerto total, como soaria uma palavra de hoje mil anos atrás.

A principal descoberta da investigação é que a frequência com a qual uma palavra é usada e a permanência nas diferentes línguas evoluídas por causa de uma fala comum derivam em sua duração no tempo sem mudanças significativas, de modo que as mais comuns são, em linhas gerais, as mais antigas.

Outras palavras mudam muito rápido e são substituídas por outras, como por exemplo "dirty" (sujo), da qual, atualmente, existem 46 variantes nas línguas indo-européias, algo que também ocorre com as citadas "stick" (pau) e "guts" (tripas).

Os verbos, constataram os pesquisadores, também tendem a mudar com rapidez, de modo que "push" (empurrar), "turn" (girar), "wipe" (enxugar) e "stab" (apunhalar) estão na lista dos termos que não serão empregados no inglês dentro de mil anos. EFE fpb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG