Cientistas criam moléculas que enganam o câncer e o levam ao suicídio

Uma equipe francesa criou moléculas capazes de enganar as células cancerígenas que resistem à radioterapia e de levarem-nas a suicidar-se, uma descoberta promissora em termos de aumento da eficácia dos tratamentos contra o câncer.

AFP |

A radioterapia ou a quimioterapia causam danos nas células tumorais para destrui-las. Um dos danos mais nocivos para a célula acontece quando conseguem romper seu material genético: ante um grande número de rupturas, provocadas, por exemplo, pela radiação, as células cancerígenas podem se autodestruir (apoptose).

Mas esses danos não bastam para acabar com as células tumorais que continuam sendo capazes de ativar seu sistema de reparação de rupturas. Elas se tornam resistentes ao tratamento, deixando os médicos impotentes.

A equipe de Marie Dutreix, do Instituto Curie (Paris), criou moléculas que enganam as céluas cancerígenas fazendo-as crer que sofreram mais danos do que sofreram na realidade.

Estas moléculas, chamadas Dbait, são pequenos fragmentos de DNA que "imitam" as rupturas dos filamentos da dupla hélice de DNA das células cancerígenas. "Este engodo engana as funções de reparação das células", explica Marie Dutreix.

Como consequência das lesões reais provocadas pela radioterapia que "passam desapercebidas" em um sistema "alertado", as células cancerígenas acabam por se autodestruir.

As Dbait demonstraram ser eficientes em camundongos, enfatiza Marie Dutreix, cujo trabalho é publicado neste domingo na revista americana Clinical Cancer Research.

A necrose devido à morte das células tumorais afeta entre 75 e 100% da zona tumoral com a associação Dbait-radioterapia, contra os 30 a 50% se for usada apenas a radioterapia. Além disso, as Dbait não causam qualquer toxicidade nos tecidos saudáveis, enfatiza a pesquisadora.

Agora os pesquisadores têm de testar estas "moléculas-medicamentos" no ser humano. Os primeiros testes clínicos começarão no final de 2010 ou início de 2011 em quatro centros parisienses.

As pesquisas desta cientista estão focadas principalmente nos melanomas (câncer da pele) e nos glioblastomas (tumores cerebrais), conhecidos por sua resistência aos tratamentos.

"Nós nos orientamos para uma administração intracraniana para os glioblastomas e subcutânea para os melanomas", afirmou.

As Dbait são injetadas horas antes do tratamento de radioterapia.

Os pesquiadores também acreditam que estas moléculas permitirão reduzir as doses utilizadas na radioterapia, com frequência no limite da toxicidade para os tecidos saudáveis que rodeiam o tumor.

Também se descarta estender seu raio de ação, adaptando-se às quimioterapias.

vm/mpf/cn/nh/

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG