Cientistas argentinos manipulam proteína para eliminar lembranças

Buenos Aires, 30 abr (EFE).- Cientistas argentinos conseguiram manipular a proteína que interfere na memória para eliminar as lembranças quando são evocadas, uma descoberta útil para tratar de fobias e o estresse pós-traumático, publica hoje a imprensa local.

EFE |

Por meio de testes com ratos, os especialistas em farmacologia e bioquímica da Universidade de Buenos Aires demonstraram que a capacidade de lembrar pode ser alterada caso sejam injetadas substâncias que anulam a proteína da memória, diz o relatório do jornal argentino "La Nación".

"Abre-se um caminho pelo qual seria possível interferir na memória já formada" nos seres humanos, disse ao jornal o doutor Arturo Romano, um dos membros do grupo de cientistas.

"Poderia ser aplicável a casos de fobias ou a pessoas que sofrem de estresse pós-traumático", afirmou.

Disse que também seria possível tratar todos aqueles transtornos nos quais uma lembrança patológica altera a vida de uma pessoa.

Entretanto, Romano esclareceu que ainda falta muito para poder comprovar se a experiência poderia ser reproduzida em humanos, pois a equipe de cientistas trabalha apenas com ratos por enquanto.

Neles foi encontrada a proteína denominada NF-kB, que atua tanto no processo de consolidação como no de confirmação da memória e regula a expressão de genes necessária para armazenar lembranças a longo prazo.

"Caso seja injetado no cérebro um inibidor deste mecanismo quando a lembrança for evocada, a retenção é afetada", declarou Romano.

De qualquer forma esclareceu que "trazer ao presente algo do passado é um processo ativo. Cada vez que é evocada, a memória pode ser modificada". EFE aal/ev/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG