Cientistas americanos calculam potência de golfinhos

TROY, Nova York - Os golfinhos tem uma potência que deixaria o medalhista olímpico Michael Phelps com inveja: equivalente a 96 kg.

AP |

Acordo Ortográfico

A velocidade com a qual os golfinhos conseguem nadar preocupou os cientistas em 1936, quando o zoólogo James Gray calculou o arrasto que estes animais têm que sobrepujar para nadar mais rápido do que 32km/h.

Gray disse que os golfinhos não tinham os músculos necessários para nadar tão rápido, mas que ainda assim o faziam. Isso ficou conhecido como o Paradoxo de Gray.

A teoria de Gray dizia que sua velocidade tinha algo a ver com a pele.
Mas ao longo das décadas, os cientistas descobriram falhas no trabalho de Gray e a maioria dos biólogos passou a rejeitar sua teoria.

Agora, uma equipe de cientistas americanos usou sofisticadas técnicas de vídeo submarino para medir a potência da cauda dos golfinhos. Eles calcularam 96kg de empuxo - mais do que o triplo de um atleta olímpico como Phelps e o suficiente para gerar os dados que confundiram Gray há sete décadas.

"Não há paradoxo. Os golfinhos sempre tiveram os músculos para a tarefa", disse Frank Fish, professor de biologia da Universidade West Chester na Pensilvânia. "Gray estava errado".

Fish trabalhou com o professor do Instituto Politécnico Rensselaer, Tim Wei, que usou vídeos digitais e a análise de milhões de minúsculas bolas para estudar o complexo movimento de água feito pelos golfinhos.
Computadores rastrearam o movimento das bolhas, tornando o fluxo visível. Ele usou a técnica para ajudar os nadadores da equipe americana a conseguirem mais empuxo com suas braçadas.

Os pesquisadores retomaram análises antigas da Marinha com golfinhos nadando através de nuvens de bolhas em um tanque no Laboratório Long Marine da Universidade da California Santa Cruz. O tanque era pequeno demais para capturar o vídeo dos golfinhos em velocidade máxima, então eles também registraram as caudas dos animais na água aberta. O empuxo foi calculado com base nas medidas dos golfinhos e na potência gerada por suas caudas.

Wei apresentará a descoberta nesta segunda-feira em San Antonio durante conferência da Sociedade Física Americana.

O professor de biologia da Universidade de Harvard George Lauder disse que a pesquisa ajuda muito, afirmando que ainda que os biólogos tenham abandonado o Paradoxo de Gray há algum tempo, alguns engenheiros ainda acreditam na teoria.

"Essa porta já tinha sido fechada, mas ninguém havia medido o empuxo", ele disse.

Leia mais sobre golfinhos

    Leia tudo sobre: golfinhos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG