Cientistas afirmam que suposto crânio de Hitler é de uma mulher

Nova York, 29 set (EFE).- O fragmento de crânio que se acreditava que pertencia ao ditador alemão Adolf Hitler e que está guardado em Moscou corresponde, na realidade, a uma mulher, afirmou hoje um grupo de cientistas da Universidade de Connecticut.

EFE |

"Os resultados de nossos exames foram óbvios desde o primeiro momento. As amostras que analisamos correspondem ao crânio de uma mulher, sem lugar a dúvidas", disse hoje à Agência Efe a professora de biologia molecular e celular dessa universidade americana Linda Strausbaugh.

A professora analisou junto com vários cientistas amostras de DNA que o arqueólogo americano Nick Bellantoni obteve em uma viagem à Rússia do crânio que as autoridades desse país afirmam que corresponde a Hitler e que foi descoberto em 1993 em um dos arquivos secretos da antiga União Soviética.

Os resultados desses exames levam novamente a dúvidas sobre se o Führer realmente se suicidou em 1945 perante a entrada das tropas soviéticas a Berlim.

Além disso, abriu a possibilidade de que esses restos guardados em Moscou e que foram expostos pela primeira vez em 2000 correspondam à companheira de Hitler, Eva Braun.

A professora, no entanto, explicou que é "muito duvidoso" que possam investigar sobre se o crânio em questão corresponde a Braun, que se acredita que tenha se suicidado com Hitler, porque a amostra de DNA corresponde a "um perfil parcial e não completo", devido ao mau estado dos restos. EFE dvg/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG