Cientista político Samuel P. Huntington morre aos 81 anos em Massachusetts

Washington, 27 dez (EFE).- O professor de ciências políticas Samuel P.

EFE |

Huntington, conhecido pelo conceito de "choque de civilizações", morreu aos 81 anos em Massachusetts, informou hoje a Universidade de Harvard, onde lecionou por décadas.

Huntington, que publicou em 1996 o livro "O Choque de Civilizações" e deixou de dar aulas em 2007, após 58 anos de trabalho acadêmico em Harvard, morreu na quarta-feira.

Ele foi autor, co-autor ou editor de 17 livros e mais de 90 artigos acadêmicos em torno de suas áreas principais de pesquisa e ensino: o Governo dos Estados Unidos, a democratização, política militar, estratégia, relações entre civis e militares, política comparativa e desenvolvimento político.

"Há gente no mundo todo que estudou e debateu suas idéias", disse o economista Henry Rosovsky, amigo e colaborador de Huntington por quase seis décadas.

"Acho que Sam foi, claramente, um dos politólogos mais influentes dos últimos 50 anos", acrescentou.

Huntington, que se formou aos 18 anos em Yale e aos 23 já estava dando aulas em Harvard, alegou que, depois da Guerra Fria, o conflito violento não se originaria no atrito ideológico entre Estados, e sim nas diferenças religiosas e nas maiores civilizações do mundo.

"O choque de civilizações dominará a política em escala mundial", escreveu. "As linhas divisórias entre as civilizações serão as frentes de batalhas do futuro".

O argumento apareceu pela primeira vez em artigo, em 1993, na revista "Foreign Affairs", e depois Huntington ampliou sua tese no livro, traduzido para 39 idiomas.

A Universidade de Harvard não informou da causa da morte de Huntington, que deixou a esposa, Nancy Arkelyan, com quem foi casado durante 51 anos, e seus filhos Nicholas Phillips e Timothy May. EFE jab/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG